Tuesday, December 29, 2009

camisinha

é sábado à noite. e, como todo sábado à noite, mariana rói as unhas - das mãos e dos pés - esperando chegar aquele mesmo horário para correr ao banheiro, tomar um banho, vestir a roupa e sair exalando seu charme de gata-sozinha-procura. segura o celular nas mãos à espera daquele mesmo telefonema de todos os sábados: meia hora to passando aí. correu. e fez tudo correndo mesmo. em vinte minutos está pronta, segurando um cigarro na calçada de casa. foram os dez minutos mais longos de toda a sua vida.

chega a festa. compra um drink qualquer. qualquer um é melhor que cerveja, pensa. e a cláudia, amiga de todas as horas, vai na onda: pede um hi-fi daquele mesmo jeito de uma semana atrás, lembrando o garçom que naquela madrugada ele a comeu a noite inteira - cara de espanto, ao perceber que ele não lembra. pouco suco e muita vodka, porra! vão para a pista, cada qual com seu copo. e a música invade os ouvidos e o pensamento de cada uma. é, de forma diferente. cláudia mais balança a cabeça, mariana mexe mais o corpo. mexe tanto que ele vem até ela, segura sua cintura e mexe junto. maravilha.

e fala no ouvido, e passa a língua no pescoço. mariana está no quinto drink e se entrega como todas as outras primeiras vezes. sempre é uma primeira vez. beija, passa a mão, roça a língua e sente: hora de ir embora. se tem carro ou se não tem, lá fora tem táxis a noite inteira. tchau, cláudia. puxa pela mão e vai. estão a fim. ela mais do que ele. ele só saiu no lucro. ela saiu realizada. é gostosa, tem dinheiro e gosta de satisfazer seus desejos. ponto final. motel? apartamento? ou casa de família? fica na primeira opção. uma bodega qualquer serve, é só sexo mesmo.

tira a roupa, só calcinha e sutiã. essa parte é dele, nu. foda-se. tira tudo. aliás, me fode. mulher decidida. mais beijos, mãos e línguas. e curte o que resta da madrugada. carne com carne. seis da manhã. hora de ir para casa. acorda o bêbado infeliz. sou puta, mas tenho hora, porra. nem ouve. chega em sua casa: posso entrar? não. sorri meia boca nos lábios. tira da bolsa um papel e uma caneta, escreve algo, dobra e deixa no painel do carro. agradece e se retira do carro, piscando o olho direito: eu não moro aqui, mas pego um táxi. mulher misteriosa. ele pára na garagem. pega o bilhete. foi só uma noite. mas a aids é para minha vida toda. e agora para a sua também.

Monday, December 28, 2009

natal familiar

quisera a união
os abraços e beijos da meia noite
e, ao invés dos presentes de Noel,
o reencontro da pacificidade

quisera tanto
não se despedir às dez
dos futuros não presentes
com olhos lacrimejantes

quisera mais ainda
um vinte e cinco regado a sorrisos
verdadeiros não por obrigação
mas em nome da união

seria um dia qualquer
mas tanto desejou
mas tanto almejou
que naquele ano aconteceu

Tuesday, December 01, 2009

Síndrome dos Vinte e Tantos

A chamam de 'crise do quarto de vida'. Você começa a se dar conta de que seu círculo de amigos é menor do que há alguns anos. Se dá conta de que é cada vez mais difícil vê-los e organizar horários por diferentes questões: trabalho, estudo, namorado (a) etc. E cada vez desfruta mais dessa cervejinha que serve como desculpa para conversar um pouco. As multidões já não são 'tão divertidas'... E às vezes até lhe incomodam. E você estranha o bem-bom da escola, dos grupos, de socializar com as mesmas pessoas de forma constante. Mas começa a se dar conta de que enquanto alguns eram verdadeiros amigos, outros não eram tão especiais depois de tudo. Você começa a perceber que algumas pessoas são egoístas e que, talvez, esses amigos que você acreditava serem próximos não são exatamente as melhores pessoas que conheceu e que o pessoal com quem perdeu contato são os amigos mais importantes para você. Ri com mais vontade, mas chora com menos lágrimas e mais dor. Partem seu coração e você se pergunta como essa pessoa que amou tanto pôde lhe fazer tanto mal. Ou, talvez, a noite você se lembre e se pergunte por que não pode conhecer alguém o suficiente interessante para querer conhecê-lo melhor. Parece que todos que você conhece já estão namorando há anos e alguns começam a se casar. Talvez você também, realmente, ame alguém, mas, simplesmente, não tem certeza se está preparado para se comprometer pelo resto da vida. Os rolês e encontros de uma noite começam a parecer baratos e ficar bêbado e agir como um idiota começa a parecer, realmente, estúpido. Sair três vezes por final de semana lhe deixa esgotado e significa muito dinheiro para seu pequeno salário. Olha para o seu trabalho e, talvez, não esteja nem perto do que pensava que estaria fazendo. Ou, talvez, esteja procurando algum trabalho e pensa que tem que começar de baixo e isso lhe dá um pouco de medo. Dia a dia, VOCÊ TRATA DE COMEÇAR A SE ENTENDER, SOBRE O QUE QUER E O QUE NÃO QUER. Suas opiniões se tornam mais fortes. Vê o que os outros estão fazendo e se encontra julgando um pouco mais do que o normal, porque, de repente, você tem certos laços em sua vida e adiciona coisas a sua lista do que é aceitável e do que não é. Às vezes, você se sente genial e invencível, outras... Apenas com medo e confuso. De repente, você trata de se obstinar ao passado, mas se dá conta de que o passado se distancia mais e que não há outra opção a não ser continuar avançando. Você se preocupa com o futuro, empréstimos, dinheiro... E com construir uma vida para você. E enquanto ganhar a carreira seria grandioso, você não queria estar competindo nela.

O que, talvez, você não se dê conta, é que todos que estamos lendo esse textos nos identificamos com ele. Todos nós que temos 'vinte e tantos' e gostaríamos de voltar aos 15-16 algumas vezes. Parece ser um lugar instável, um caminho de passagem, uma bagunça na cabeça... Mas TODOS dizem que é a melhor época de nossas vidas e não temos que deixar de aproveitá-la por causa dos nossos medos... Dizem que esses tempos são o cimento do nosso futuro. Parece que foi ontem que tínhamos 16... Então, amanha teremos 30?! Assim tão rápido?! Façamos valer nosso tempo... Que ele não passe! Afinal, 'a vida não se mede pelas vezes que você respira, mas sim por aqueles momentos que lhe deixam sem fôlego. '

[Autor Desconhecido]

Espero, sim, que o tempo passe. Cada fase, cada idade tem sua beleza. A gente envelhece melhor quando sabe envelhecer. Ainda to na casa do 2.1, mas vo tentando tomar conhecimento de tudo isso já a partir de agora. Deixando, claro, o espaço para os acontecimentos inevitáveis que possam vir. Enfim, não chamo de síndrome. Prefiro considerar apenas mais uma etapa.

é real.

Pode ser que um dia deixemos de nos falar,
mas, enquanto houver amizade,
faremos as pazes de novo.
Pode ser que um dia o tempo passe.
Mas,se a amizade permanecer,
um do outro há de se lembrar.

Pode ser que um dia nos afastemos.
mas, se formos amigos de verdade,
a amizade nos reaproximara.

Pode ser que um dia não mais existamos.
Mas se ainda sobrar amizade,
nasceremos de novo, um para o outro.

Pode ser que um dia tudo acabe.
Mas, com a amizade
construiremos tudo novamente,
cada vez de forma diferente,
sendo único e inesquecível cada momento
que juntos viveremos e nos
lembraremos para sempre.

Friday, November 20, 2009

“às vezes você tem que aprender a amar as coisas que são boas para você”

Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível.

é

o número é o mesmo. o endereço a placa do carro também. mudou o local de trabalho (duas vezes diga-se de passagem). mudou a convivência: uns se foram, outros vieram e alguns permaneceram (o sentimento também). o visual, bom, de vez em quando está de um jeito, de vez em quando está de outro. mas a mudança mais radical talvez tenha sido realizada acima do pescoço, por trás dos olhos, onde reside aquilo que chama de cérebro.

aprendeu. cresceu. amadureceu. respectivamente nessa ordem. porque aprender todo mundo pode. crescer após o aprendizado apenas alguns conseguem. e amadurecer, bem, só é possível quando se passou por essas duas etapas. essa é a concepção. até sente saudade da falta de responsabilidade, mas quando esta aparece, percebe que realmente é homem de honrar aquilo que carrega desde que nasceu naquele sete de setembro quando os astros evocavam: virgem.

é. o sorriso talvez tenha mudado um pouco. a voz... bem, a voz acho que não. o senso de justiça talvez tenha adormecido junto à fidelidade aos princípios norteadores de sua personalidade. mas, afinal, pra chegar ao terceiro estágio da manga esverdeada-amarelada é necessário cruzar alguns obstáculos e encruzilhadas das quais você pode se arrepender pra sempre. mas a vida é assim: as vezes pensar antes de agir, as vezes não. as vezes arriscar, as vezes não. mas, enfim, qualquer que tenha sido sua escolha, as consequências são visíveis. aprender a conviver com elas talvez tenha sido sua maior virtude.

e lá está, com seu cigarro e seu copo de cerveja. e pensa no passado e no futuro. mas, jamais, se desliga do presente. aquele que se vive agora. porque, afinal, só há dois dias do ano em que nada pode ser feito: hoje e amanhã. é assim. o agora é aquilo que acontece. ontem já foi. amanhã ninguém sabe. e era assim que continuava. sua vida só fazia sentido mesmo naquele exato momento em que estava ali. o que acontecera antes ou o que podia acontecer amanhã não importava. feliz? era o estado de espírito do momento. aliás, é.

Friday, November 06, 2009

espelho

a atitude de cada um revela aquilo que eu serei frente a ele.




julgar. ô palavrinha mal dita.
antes pense nas suas atitudes.
e naquilo que já fizeram com e por você.

Monday, September 07, 2009

2.1

Eu me desejo não parar tão cedo
Pois toda idade tem prazer e medo
E com os que erram feio e bastante
Que eu consiga ser tolerante
Quando eu ficar triste que seja por um dia
E não o ano inteiro
E que eu descubra que rir é bom
Mas que rir de tudo é desespero
Desejo...
Que eu tenha a quem amar
E quando estiver bem cansado
Ainda exista amor pra recomeçar
Eu me desejo muitos amigos
Mas que em um eu possa confiar
E que tenha até inimigos pra eu não deixar de duvidar
Eu desejo...
Que eu ganhe dinheiro pois é preciso viver também
E que eu diga a ele pelo menos uma vez quem é mesmo o dono de quem
Desejo...
Que eu tenha a quem amar
E quando estiver bem cansado
Ainda exista amor pra recomeçar




[que sempre exista amor. sempre.]

Saturday, August 01, 2009

onde estão os outros?

o mundo começa a desmoronar. a pirâmide vira um poço que você não consegue escalar pela inclinação.

Saturday, July 11, 2009

atualmente

o que muda é apenas a intensidade da dor. uma hora dói mais, outra hora dói menos. é como passar o gume da faca sobre a pele bem devagar, mas profundamente.
onde está Deus?

Thursday, July 02, 2009

para mim



Yes, there were times, I'm sure you knew

When I bit off more than I could chew
But through it all when there was doubt
I ate it up and spit it out
I faced it all and I stood tall
And did it my way

Friday, June 26, 2009

para os desesperados

reconhece a queda, e não desanima. levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima!
Petronio

Wednesday, June 17, 2009

O Amor

Era madrugada. Alegna estava deitada há horas em sua cama, esperando pelo sono que não chegava. Dividia o quarto com mais duas irmãs, que já repousavam adormecidas em suas camas. Tinha lá seus dezessete anos. As outras duas, gêmeas, já estavam na casa dos vinte. Olhava pela janela para o céu negro-azul cheio de estrelas, que, se tivessem sons audíveis, tilintariam lá do alto aquelas variáveis luzes. Adolescente, Alegna tinha sonhos: terminar o segundo grau, cursar a faculdade que tanto sonhava, arrumar um emprego bacana e constituir uma família. Uma família diferente daquela esteriotipada com marido e filhos. Não sonhava com filhos. Nem marido. Sonhava com uma outra mulher que a pudesse fazer tão feliz quanto um marido poderia fazer uma esposa. Cogitava a possibilidade de talvez adotarem uma criança anos a frente. Mas, por enquanto, era apenas uma cogitação. Alegna estava apaixonada. Achava que tinha encontrado o amor de sua vida. Cedo? Talvez. Mas, para ela - e por enquanto isso bastava - aquela era a mulher que queria para sempre ao seu lado. Estava com os pensamentos longe, quando, de repente, uma luz branca, forte, adentrou pela janela do seu quarto, bem em cima da cama onde estava deitada:
- Boa noite.
- Que-quem é você? - perguntou assustada.
- Eu me chamo Gabriel.
- Gabriel? - perguntou com os olhos fincados naquele par de olhos verdes e cabelos dourados.
- Sim. Venho trazer-lhes, em nome de Deus, boas novas.
- Trazer-lhes? - e olhou para as camas de suas irmãs, que já se encontravam em pé próximas à sua cama, com olhares fixos, sem pronunciar uma palavra sequer - Como assim?
A luz branca cessou e Alegna viu um par de asas se fechando por detrás do corpo seminu. Alto, o anjo trazia em suas mãos três pequenas cestas, cobertas por um fino tecido branco que brilhava como a luz das estrelas que observava há alguns minutos.
- Este é para você, Maria. Deus enviou-lhe para que pudesse cuidar dele. - e entregou a primeira cesta, de cujo interior ouviu-se um choro infantil.
- Este é para você, Clara. Deus enviou-lhe para que o criasse. - e entregou a segunda cesta, de cujo interior também se pôde ouvir um choro infantil.
Alegna desesperou-se. Bebês? Para criarem? Como ela poderia criar uma criança? Não tinha condições psicológica, muito menos financeira para tal:
- Permita-me, Gabriel, mas não posso aceitar o que viestes me entregar. Um filho? Não posso ter um filho, não posso criar um filho. Ainda sou muito jovem. E nem sei se quero ter filhos.
O anjo segurou a terceira cesta com as duas mãos e ofereceu-a a Alegna. Alegna segurou o arco da cesta com a mão esquerda, puxando o tecido com a outra, amedrontada com o que poderia estar ali dentro. Não houve barulho de choro infantil, muito menos lágrimas ou membros balançando compulsivamente. No lugar de uma criança um ramalhete de rosas vermelhas.
- Este é seu. Cuide com carinho que ele se reproduzirá. Apenas é necessário que lhe seja dado água. Isso vai bastar para que Deus fique contente com você. O seu destino é semear. Semear o amor. Este mesmo que você carrega dentro de si.

Thursday, June 11, 2009

relembrando

um dia fui coroinha. fui aluno de terceiro ano. fui estudante de catecismo. fui o mais inteligente da sala. relembrei. assim, hoje, rapidamente, de cada um desses momentos. deu uma saudade gostosa. não de querer voltar. mas de ter vivido.

Monday, June 08, 2009

Saturday, June 06, 2009

o antes

louise maria foi uma grande artista de teatro na cidade de rio branco. transgrediu a linguagem e a performance teatral como nenhuma atriz ou ator havia feito. caminhava em passos dançantes, como se sempre houvesse uma música ao fundo, interpretou papéis polêmicos, como uma senhora dona de bordel que fazia parte da classe alta da sociedade - texto inspirado em uma das mulheres desta cidade dizia ela. os homens a desejavam. as mulheres, mesmo sentido-se ameaçadas, adoravam suas histórias. tinha conhecido quase o mundo inteiro, sempre afirmando que, mesmo que fizesse sucesso lá fora, não trocaria sua cidade por nada. simples, morava em uma chácara, n'uma casa não muito grande, mas que dava para viver bem consigo mesma.
já com seus quase cinquenta anos de idade conheceu uma moça. jovem, exuberante, dona de uma postura semelhante à dela em seus tempos de glória. encantou-se por ela naquela madrugada, quando, sentada na mesa de um bar, viu-a entrar desnorteando olhares alheios enquanto passava. pouco tempo depois resolveu apresentar-se. quem sabe não tivesse interesse em participar de alguma peça sua. cruzou o bar inteiro até chegar, finalmente, no canto escuro onde a moça se encontrava. soltou um pigarro fino, como era de se admirar que soubesse fazer:
- boa noite, querida. tudo bem?
ela, de cabeça abaixada, com um cigaerro na boca, apenas levantou os olhos para a louise, que abriu um sorriso enorme ao ver aquela expressão de melancolia misturada à desprezo.
- boa noite. o que quer?
- primeiramente saber seu nome.
um silêncio de vozes, enquanto a moça revirava a bolsa procurando, quem sabe, algo que pudesse acender seu cigarro. louise, muito educada, aproximou-se mais dela estendendo-lhe um isqueiro.
- obrigada. é clarisse. meu nome é clarisse.

foi-se

nada como uma boa noite de sono para re-enterrar coisas do passado. odeio ter memória boa para coisas ruins. fodam-se elas também.

Friday, June 05, 2009

cansado

da mentira, do fingimento, da falsidade, da ignorância, da maldade, da traição, da insensatez. afim de mandar muita gente a merda. aviso aos filhos da puta: torçam para não cruzar meu caminho. não é ameaça, é apenas precaução. de vocês, não minha.

do rei

as vezes dá vontade de ser como o tempo. segundo já disse roberto carlos, ele não pára, no entanto nunca envelhece.

Friday, May 29, 2009

te liga!

era um fim de tarde cor-de-rosa, com tons pastéis e um pouco de laranja e amarelo. daqueles que praticamente só se vê em filmes água-com-açúcar. álvaro sorria, sentado na beira da estrada, admirando-o. pela primeira vez sentia-se em um estado de espírito acima de qualquer um que já houvesse experimentado. "que vista" pensava ele, quando um caminhão descontrolado o acertou em cheio.

luíza chegou do trabalho feliz da vida pela promoção que acabara de receber. tinha combinado com as amigas de sair para comemorar. foi até o banheiro, ligou o chuveiro e deixou a água quente amenizar o ambiente. colocou o pé dentro da banheira e, tentanto apoiar-se, escorregou e bateu a cabeça, ficando instantaneamente sem vida.

carlos já tinha perdido tudo na vida. emprego, amigos e namorada. depois da tormenta, jogou na loteria e ganhou, sozinho, um prêmio que o manteria rico eternamente. resolveu viajar e conhecer uma parte do mundo. à caminho de Paris, alguns problemas nas turbinas do avião fizeram com que o mesmo caísse a toda velocidade dentro do oceano, matando todos os passageiros e a tripulação.

-

qualquer hora pode ser a hora. não vejam isso como tragédias. aproveite o agora, porque até mesmo hoje você pode morrer.

cérebro

pelo que bem me conheço minha inspiração não está tão próxima à nota 10 como um ano atrás.

Thursday, May 28, 2009

cabeça

fingir-se cego. fingir-se mudo. fingir-se surdo. certas deficiências, mesmo que por mero fingimento, são extremamente necessárias às vezes. pelo próprio bem do corpo e da mente. amém.

Wednesday, May 20, 2009

mudar. medar. meda. medo.

quebrar a rotina. desacostumar. algo difícil de lidar, de administrar. mas necessário. cair na rotina estraga. a vida inteira mesmo. acordar, tomar café, trabalhar, almoçar, trabalhar mais, ir pra aula, ir pra casa e dormir. e acaba o dia. e onde fica o inesperado, o entusiasmo de não seguir sempre o mesmo padrão de vida?

deixei isso de lado, cortei fora dos meus dias o espaço reservado para as surpresas. mas caí na real a tempo de mudar e fazer diferente. mudar. palavrinha que carrega em seu conceito o sentimento de medo. mudar. medar. meda. medo. é mais ou menos isso. mas imprescindível para felicidade de espírito. correr riscos, sabe?

Monday, May 18, 2009

corre nas veias

é trinta e cinco. quinze a mais. é meu prazo para equiparar-me ou ser melhor. prazo extendido, diga-se de passagem. na real é só dez mesmo.

constando

eu já fui algo que hoje não sou. e hoje, talvez, eu seja algo que um dia quis ser.

Saturday, May 16, 2009

...

felicidade é um estado de espírito. não uma condição de vida; condição de vida mesmo é saber viver. e, bem, para viver mesmo e intensamente não se deve ser feliz o tempo inteiro.

Friday, May 15, 2009

auto (?) ajuda

não espere o amor de todos; ame a si mesmo primeiramente. não espere uma mão para te puxar do poço fundo; aprenda a escalar paredes retas. não crie expectativas achando que tudo será pra sempre; até a vida tem prazo de validade. não apenas almeje ter um bom futuro; o faça. não julgue sentimentos alheios se não os conhece; já há equívoco demais no mundo para desconfiar daquilo que é verdadeiro. não busque sua felicidade tirando a de outra pessoa; completem-se. e, sempre que for criticar alguém, pense sempre que você já passou por isso ou que ainda pode passar. todos estão sujeitos a situações diversas que só entenderão quando estiverem no mesmo lugar. é fato, eu garanto.

dos comentários

não como regra: as vezes precisamos cuidar daquilo que é de fora para que nos faça bem por dentro. sendo assim, escale a montanha. quem sabe lá em cima você não encontra a resposta?

Thursday, May 14, 2009

da independência

bem dito que as vezes é necessário dar um passo para trás quando se quer andar dois para frente.

Wednesday, May 13, 2009

nu e cru

É preciso fazer todo o mal de uma só vez a fim de que, provado em menos tempo, pareça menos amargo, e o bem pouco a pouco, a fim de que seja mais bem saboreado.
Maquiavel

Wednesday, May 06, 2009

do pensamento

-sinto como se estivesse sumindo da paisagem.
-...
-caralho, eu estou mesmo!
-...agora te preocupas?
-já diziam os engenheiros daquela ilha que o preço que se paga as vezes é alto demais.
-agora que percebe isso?
-isso me foi perceptível antes mesmo de acontecer.
-e porque não fez nada pra mudar?
-primeiro porque eu sou assim. segundo que eu resolvi deixar a coisa rolar, sabe?
-ah, arriscando né?
-isso.
-é, eu sempre gostei disso em você.
-então você me compreende?
-até certo ponto sim. até o ponto de: sua felicidade está completa dessa forma?
-bem, estou tentando fazer dar certo dessa vez.
-preocupe-se com sua felicidade, meu caro. se você está feliz dessa forma, quem se importa haverá de compreender.
-mas eu os compreendo também. eles se importam, eu sei.
-então eles vão entender que distância não significa o oposto de sentimento. ah, e você nem está distante. só não está a vista.
-convenhamos que é quase a mesma coisa.
-e. mas... sabe? eu não reclamo não. a gente pode passar anos sem se ver. eu sei que o reencontro vai ser sempre como se estivéssemos nos visto há apenas um dia. eu gosto de você rapazinho. te carrego pra sempre. pra todo o sempre comigo.
-você sabe que é algo recíproco, não é?
-eu sinto.
-então tá. tá tudo bem?
-tá sim. você sempre me deixa melhor, mesmo sem perceber.
sorriso bobo
-bom, então vou pra minha aula tá? a ufac me deixa louca.
eu sei que isso não aconteceu. mas, bom, você sabe que eu adoro imaginar.

Wednesday, April 08, 2009

a caminho

chegara a hora. noventa e seis horas longe. faria bem, ele sentia. sentir-se em família. conversar com a irmã. estar na presença dos pais fora do santuário chamado casa. pela primeira vez os três estariam a sós longe de onde havia nascido. expectativas geradas. promessas cumpridas. e uma saudade apertada daqueles que via todos os dias, mas que passaria mais de vinte e quatro horas sem ver. um encontro depois de meses. feliz ano novo, talvez. revelações durante a santa semana. até logo.

Thursday, April 02, 2009

boa nova

tem gente que recebe Deus quando canta
tem gente que canta procurando Deus
a última música, do último lado, do último cd de cazuza.

lágrimas escorrem dos olhos. de emoção. de satisfação. pela simples percepção de que todas as nossas ações e escolhas podem refletir no futuro. vivendo este presente de hoje, talvez minhas escolhas erradas no passado não tenham sido tão erradas assim. modéstia à parte, sou um garoto de sorte. a lua tava cheia quando eu nasci. mas nasci às dez e trinta e cinco da manhã. minha benção à estrela maior. e Àquele que o iluminou. obrigado.

Tuesday, March 31, 2009

-só isso?

daqui se escorre o teu gosto doceamargo, junto do meu, que se lança pelos poros, de forma a juntarem-se para que, enfim, as estrelas apareçam. em tempos de outrora lançaria-me no mar salgado, em busca de ilhas desconhecidas. mas aqui me sustento, com o pé fincado ao chão e barco ancorado a poucos metros, porque, as vezes, para se dar um passo à frente é necessário recuar. te vejo longe, a desviar das pedras e coqueiros loucos para soltar seus côcos maduros sobre a sua cabeça. e somos dois, como um par de meias na gaveta, que se completam apesar de outros pares tentarem separá-los. disse-me vinicius, em segredo, certa vez, que nada é imortal, considerando que tudo é chama, mas que tudo pode ser eterno enquanto existente. assim, desse jeito sucinto, um quadrado se fecha. quase.

parafraseando

Eu não gosto de gente negligente.
Eu não gosto de pais que negligenciam seus filhos, chefes que negligenciam seus funcionários, pessoas que negligenciam pessoas, eu não gosto de quem foge de suas responsabilidades.
Eu não gosto de quem abandona suas OBRIGAÇÕES ou as joga para baixo do tapete.
Eu decididamente não gosto.


de mim: antes de tudo isso, eu não gosto de gente que negligencia a própria vida.

de lá

'Minha dor é perceber
Que apesar de termos
Feito tudo, tudo, tudo
Tudo o que fizemos
Nós ainda somos
Os mesmos e vivemos
Ainda somos
Como os nossos pais..'


Em uma época eu tinha curiosidade pelo novo, pelo que está, pelo que vinha. Buscava, lia, ouvia. E me entorpecia. Minha época agora é de nostalgia (sensação de saudades de um tempo vivido, frequentemente idealizado e irreal), com uma curiosidade pelo que passou, pelo que estava, pelo que veio. Estou buscando, lendo e ouvindo. Me entorpeço.

Thursday, March 26, 2009

de mim

Não há espelho que melhor reflete a imagem do ser humano do que suas palavras.
Luis Vives

sonhodelo

é como se, enquanto durmisse, você acordasse em outra vida.

inércia

que venham os magos, os gladiadores, até mesmo os bárbaros. podem chegar e tentar invadir-me. não conseguirão. porque hei de ser mais forte que eles. minha luta não compõe-se de armas e braços, mas de simples idéias, de tato, de percepção. não sou tão novo quanto meu rosto aparenta, nem tão velho quanto lhe pareço ao falar. estou, talvez, no meio. como a linha que separa o céu do mar. infinita e tênue. simples. e, para isso, lhe garanto, não há idade. aquilo que eu sou, depende de quem tu és. sempre.

Wednesday, March 25, 2009

voyeurismo

está aí, ao lado da sua casa.

13º

No caminho havia flores. Pisei em todas.
Não por desgosto, desafeto, desamor
Mas porque penso que o que é belo precisa de dor.

na real XII

a insatisfação é algo recorrente e comum à maioria das pessoas. são poucos que conformam-se com aquilo que tem. mesmo que, modéstia à parte, seja o melhor.

Monday, March 23, 2009

A Mentirosa Liberdade

Comecei a escrever um novo livro, sobre os mitos e mentiras que nossa cultura expõe em prateleiras enfeitadas, para que a gente enfie esse material na cabeça e, pior, na alma – como se fosse algodão-doce colorido. Com ele chegam os medos que tudo isso nos inspira: medo de não estar bem enquadrados, medo de não ser valorizados pela turma, medo de não ser suficientemente ricos, magros, musculosos, de não participar da melhor balada, do clube mais chique, de não ter feito a viagem certa nem possuir a tecnologia de ponta no celular. Medo de não ser livres.

Na verdade, estamos presos numa rede de falsas liberdades. Nunca se falou tanto em liberdade, e poucas vezes fomos tão pressionados por exigências absurdas, que constituem o que chamo a síndrome do “ter de”. Fala-se em liberdade de escolha, mas somos conduzidos pela propaganda como gado para o matadouro, e as opções são tantas que não conseguimos escolher com calma. Medicados como somos (a pressão, a gordura, a fadiga, a insônia, o sono, a depressão e a euforia, a solidão e o medo tratados a remédio), cedo recorremos a expedientes, porque nossa libido, quimicamente cerceada, falha, e a alegria, de tanta tensão, nos escapa.

Preenchem-se fendas e falhas, manchas se removem, suspendem-se prazeres como sendo risco e extravagância, e nos ligamos no espelho: alguém por aí é mais eficiente, moderno, valorizado e belo que eu? Alguém mora num condomínio melhor que o meu? Em fileira ao longo das paredes temos de parecer todos iguais nessa dança de enganos. Sobretudo, sempre jovens. Nunca se pôde viver tanto tempo e com tão boa qualidade, mas no atual endeusamento da juventude, como se só jovens merecessem amor, vitórias e sucesso, carregamos mais um ônus pesadíssimo e cruel: temos de enganar o tempo, temos de aparentar 15 anos se temos 30, 40 anos se temos 60, e 50 se temos 80 anos de idade. A deusa juventude traz vantagens, mas eu não a quereria para sempre: talvez nela sejamos mais bonitos, quem sabe mais cheios de planos e possibilidades, mas sabemos discernir as coisas que divisamos, podemos optar com a mínima segurança, conseguimos olhar, analisar e curtir – ou nos falta o que vem depois: maturidade?

Parece que do começo ao fim passamos a vida sendo cobrados: O que você vai ser? O que vai estudar? Como? Fracassou em mais um vestibular? Já transou? Nunca transou? Treze anos e ainda não ficou? E ainda não bebeu? Nem experimentou uma maconhazinha sequer? E um Viagra para melhorar ainda mais? Ainda aguenta os chatos dos pais? Saiba que eles o controlam sob o pretexto de que o amam. Sai dessa! Já precisa trabalhar? Que chatice! E depois: Quarenta anos ganhando tão pouco e trabalhando tanto? E não tem aquele carro? Nunca esteve naquele resort?

Talvez a gente possa escapar dessas cobranças sendo mais natural, cumprindo deveres reais, curtindo a vida sem se atordoar. Nadar contra toda essa louca correnteza. Ter opiniões próprias, amadurecer, ajuda. Combater a ânsia por coisas que nem queremos, ignorar ofertas no fundo desinteressantes, como roupas ridículas e viagens sem graça, isso ajuda. Descobrir o que queremos e podemos é um bom aprendizado, mas leva algum tempo: não é preciso escalar o Himalaia social nem ser uma linda mulher nem um homem poderoso. É possível estar contente e ter projetos bem depois dos 40 anos, sem um iate, físico perfeito e grande fortuna. Sem cumprir tantas obrigações fúteis e inúteis, como nos ordenam os mitos e mentiras de uma sociedade insegura, desorientada, em crise. Liberdade não vem de correr atrás de “deveres” impostos de fora, mas de construir a nossa existência, para a qual, com todo esse esforço e desgaste, sobra tão pouco tempo. Não temos de correr angustiados atrás de modelos que nada têm a ver conosco, máscaras, ilusões e melancolia para aguentar a vida, sem liberdade para descobrir o que a gente gostaria mesmo de ter feito.

Lya Luft
( Veja 25/03/2009))

Thursday, March 19, 2009

na real XI

nem tudo é questão de confiança. certas coisas não são ditas simplesmente por privacidade.

Tuesday, March 17, 2009

na real X

a realidade dói. mas, felizmente, ainda é a realidade.
a gente não tem garantia de nada. mas pode conquistar.

na real IX

o corpo fala, então cuide dele. infelizmente algumas pessoas só percebem isso quando estão com 80 anos na cara. e uns 50 de idade.

Monday, March 09, 2009

Friday, March 06, 2009

querendo, ou não, você sempre está a espera de alguma coisa: um dinheiro a mais, uma noite em paz, um bom filme na tv, um bom livro pra ler, uma ligação. e criar expectativas em cima de algo que não acontece acaba se tornando, por vezes, muito triste. vira dependência. mesmo sabendo que pode não acontecer. principalmente porque, na maioria das vezes, você faz planos. e planos, se não realizados, muitas vezes nos deixa decepcionados com nós mesmos. não pelo fato de não ter conseguido, mas pelo fato de não ter se dado conta de que a espera era longa demais. e talvez não haja solução, a não ser colocar na cabeça que você deve esperar sempre mais de você. apenas de você. é difícil, mas a pessoa que mais vai lutar pelo que você quer é você mesmo. acaba parecendo simples, mas tudo isso envolve uma cadeia de coisas que tornam tudo complexo. é a luta. a luta eterna entre você e você mesmo. entre um peixe cego e um menino que são os mesmos em corpos diferentes.

Tudo acaba onde começou

Todos os caminhos são iguais
O que leva à glória ou à perdição
Há tantos caminhos tantas portas
Mas somente um tem coração
Raul Seixas

Tuesday, March 03, 2009

na real VIII

a melhor forma de não levar um tapa na cara do destino, é preparar-se para qualquer coisa que possa vir no futuro. e não, isso não faz perder a graça de uma bela surpresa, mas ajuda para que, quando aconteça uma decepção, a queda seja menor ou, pelo menos, amortecida.

fogo

O poder de dominar é tentador
Eu já não sinto nada
Sou todo torpor
É tão certo quanto calor do fogo
É tão certo quanto calor do fogo
Eu já não tenho escolha
E participo do seu jogo, eu participo
Não consigo dizer se é bom ou mal
Assim como o ar me parece vital
Onde quer que eu vá e o que quer que eu faça
Sem você não tem graça
Capital Inicial

Friday, February 27, 2009

a meia noite, entre vinte e oito de fevereiro e primeiro de março, pode ser considerado o dia vinte e nove?

Wednesday, February 25, 2009

da festa pagã II

não tenho mais o pique que tinha aos 18 anos.
carrego 20 nas costas, mas acho que estou anos à frente disso.

da festa pagã

- você é o mais feliz.
- feliz não, animado pode até ser.
- ...
- felicidade é algo diferente de animação. estou animado, mas minha felicidade não está completa para eu ser o mais feliz.

Thursday, February 19, 2009

diz o ditado:

quanto mais eu rezo, mais alma me aparece.
o pior é que nem rezando eu ando, daí se tira o quanto de alma eu tenho visto.

Tuesday, February 17, 2009

santo orkut II

Sorte de hoje: Se o destino diz que você é um perdedor, pregue uma boa peça nele.
é porque, na real, eu me faço de bobo.

um copo d'agua

e aí então depois da tempestade, sempre vem a calmaria.

Thursday, February 12, 2009

em poucos dias

aperta o coração a saudade que bate antes mesmo de soltar teu corpo. me invade a alma o sentimento que me desperta do sono profundo, acordando-me para o êxtase. tão logo me despeço, sinto arder a vontade de voltar e demorar-me mais um pouco. assim mesmo, para te ter por perto um pouco mais.

artumlet

há uma linha tênue que divide em dois: acreditar ou não acreditar, eis a questão.

Wednesday, February 11, 2009

santo orkut

Sorte de hoje: Que tal doar algumas roupas que você não usa para quem precisa?
Até o orkut me motiva a arrumar meu quarto.

Monday, February 09, 2009

Ligar-se, sintonizar-se, libertar-se.

Ligar-se significa voltar-se para dentro afim de ativar os equipamentos neurais e genéticos. Tornar-se sensível aos muitos e diferentes níveis de consciência e aos botões específicos que os acionam. (...)
Sintonizar-se significa interagir harmoniosamente com o mundo exterior: exteriorizar, materializar, expressar as novas perspectivas internas.
Libertar-se sugere um processo ativo, seletivo e suave de separação de compromissos involuntários ou inconscientes. Libertar-se significa autoconfiança, descoberta da singularidade individual, compromisso com a mobilidade, escolha e mudança.

Ligar-se, sintonizar-se e libertar-se! Chegou a hora de acionar a chave interna para força máxima! Ouçam, ou vocês vão passar o resto de suas vidas como figurantes mal pagos em algum documentário barato, preto-e-branco e amador, ou vão se tornar os produtores dos seus próprios filmes.
Timothy Leary





To fazendo minhas escolhas para ser o produtor do meu próprio filme. Que, garanto, terá algumas partes em preto-e-branco, outras partes baratas e algumas amadoras. Afinal a imperfeição ainda me garante fazer parte desse mundo.

pensata

Então algumas coisas voltam a fazer sentido. Nem é que bata o arrependimento, mas você percebe que felicidade é algo que só você pode se dar. E fazendo o que você gosta. Experimentei diversas sensações, nos mais variados ambientes de trabalho. E, crente da felicidade, hoje me esbarrei naquilo que realmente me faz vivo. Assim, já havia acontecido outras vezes, mas hoje bateu forte. O orgulho por já ter tido, e o desejo de ter novamente. Onde estou? Para que a resposta me doa menos, prefiro dizer que aqui é apenas o meio. O meio para que eu chegue ao meu fim. Ou, como já deve ter acontecido com a maioria das pessoas, o meio para que isso nunca aconteça.

Sunday, February 08, 2009

carpe diem

Carpe diem quam minimum credula postero.
Tu ne quaesieris, scire nefas, quem mihi, quem tibi finem di dederint, Leuconoe, (…). ut melius, quidquid erit, pati. seu pluris hiemes seu tribuit Iuppiter ultimam, quae nunc oppositis debilitat pumicibus mare Tyrrhenum: sapias, vina liques et spatio brevi. spem longam reseces. dum loquimur, fugerit invida aetas: carpe diem quam minimum credula postero.


Colha o dia, confia o mínimo no amanhã.
Leuconoe, não pergunte - é perigoso saber - que fim os deuses darão à mim ou a você (…) É melhor lidar com o que se apresentar no seu caminho. Se você verá muitos invernos ou se Júpiter lhe dará apenas esse cujas ondas hoje açoitam as rochas na praia do mar Tirreno - seja sábia, beba o seu vinho. Reescale as grandes esperanças para um curto prazo. Enquanto falamos, o tempo invejoso foge de nós: colha o dia, confiando o mínimo no amanhã.

Odes ( I, 11.8 )
do poeta romano Horácio (65 - 8 AC)

Thursday, February 05, 2009

de longe

- quantas palmeiras a te proteger do sol, narciso.
- e achas isso bom?
- por quê não acharia?
- porquê viverias na sombra.

na real VII

não sou eu quem vai dizer. nossas atitudes, mesmo que influeciadas, devem partir da gente. fazer o que não queremos é triste e nos deixa tristes. por isso faço o que quero. e ponto.

o mundo é um moinho

ou seria um triturador de carne?

Monday, February 02, 2009

na real VI

nem eu sabia que poderia ser assim. só para constar que ninguém, ninguém mesmo, conhece totalmente a si mesmo.

na real V

um rai pode cair no mesmo lugar. o mundo gira e para no mesmo lugar. cada situação é uma versão de outra anterior.

Sunday, February 01, 2009

na real IV

como saber qual o gosto da morte, sem antes experimentá-la?

paixão I

em poucas palavras, em poucas atitudes, em mínimas risadas, com mínimos detalhes: assim vai crescendo, pouco a pouco, um grande sentimento.

com o sol

talvez as flores de outono caiam apenas na próxima primavera.

Predomínio de Yin

A energia mais atuante em você – ou seja, a que caracteriza sua personalidade ou, pelo menos, a fase que está vivendo – tem como atributos a suavidade, a sensibilidade e a passividade. Você é uma pessoa sensível, flexível, aberta, imaginativa e dispõe de talentos criativos e artísticos. No trato diário, atributos como solicitude, tolerância e gentileza conquistam os outros e abrem portas e oportunidades. Com uma índole mais tímida e retraída, você tende a ser alguém fechado ou pode estar passando por momentos de introspeção a fim de reunir forças para dar impulso a seus projetos. No geral, pode se sentir inativo, letárgico, sem iniciativa, confuso em relação a seu real valor ou, ainda, com dificuldade para estabelecer metas. No corpo, o excesso de yin se traduz em sintomas como sensação de esgotamento ou de frio, suscetibilidade a gripes e resfriados, preguiça e dificuldade para sair da cama pela manhã.

Como equilibrar a energia: para amenizar o excesso de energia yin e estimular o fluxo da força yang, o especialista em medicina chinesa Norvan Martino Leite sugere meditação, alimentação e prática de e xercícios. Na hora de escolher uma atividade física, opte por aquelas que estimulem a concentração e coloquem ênfase nos movimentos, como tai chi chuan, qi gong, lian gong e ioga. Coma mais carne vermelha e incorpore à dieta verduras amargas (como chicória e escarola), berinjela, couve-flor e condimentos que aquecem, como gengibre, pimentas e mostarda, entre outros. Inclua a meditação, durante cinco minutos, pelo menos, em sua rotina diária. Ela ajuda a acalmar e disciplinar a mente.

Thursday, January 29, 2009

na real III

Sim, do mundo nada se leva. Mas é formidável ter uma porção de coisas a que dizer adeus.
Millôr Fernandes

Wednesday, January 28, 2009

música

percebo que meu gosto musical tem mudado ultimamente. sigo ouvindo alguns artistas para o qual nem dava bola há um tempo atrás. importante lembrar que ao ir conhecendo alguém aos poucos, você acabar se habituando às suas preferências. e não é que o samba estava bem ali e eu não dava bola?


'(...)foi um gol de anjo, um verdadeiro gol de placa
e a galera agradecida se encantava
foi um gol de anjo, um verdadeiro gol de placa
e a galera agradecida assim cantava:
fio maravilha, nós gostamos de você
fio maravilha faz mais um pra gente ver(...)'

estou ótimo

todos os dias alguém pergunta como eu estou. ultimamente minha resposta tem sido a mesma sempre: estou ótimo. e não é simplesmente pra cortar o assunto, para fingir estar bem ou qualquer outro motivo. é simplesmente pelo fato de eu estar ótimo realmente. minhas atitudes, minhas decisões têm me feito um bem danado. e essa coisa de não ter feito planos para 2009 me fez perceber que foi a melhor coisa que eu fiz. porque simplesmente tudo bem acontecendo de uma forma extremamente vantajosa pro meu lado. as coisas têm dado certo, e aquelas que dão errado é porque fazem jus ao ditado de que há males que vêm para o bem. e assim eu vou seguindo. ótimo.

eu compartilho

algo que deveria estar escrito acima da cabeça de todas as pessoas. diga não ao egoísmo.

Friday, January 23, 2009

do momento

É bom ir conhecendo alguém aos poucos. Assim você sempre se surpreende com alguma coisa que ainda não sabia. E vice-versa.

Thursday, January 22, 2009

pra'lma

te entrego uma nuvem colorida, que vira água e chuva de serpentinas. uma felicidade alegre e constante que vai te preencher internamente.

Monday, January 19, 2009

da mente

Foto: Ylêdo Júnior

Do alto da montanha, ele fazia uma retrospectiva de tudo o que tinha acontecido naqueles dois últimos meses. Havia conhecido uma pessoa maravilhosa, que proporcionara coisas jamais imagináveis. Sentiu um frio na barriga ao olhar pra baixo. Era incrível como a magia daquele lugar conseguia penetrar tão profundamente em sua mente, ao ponto de deixá-lo em êxtase com os pensamentos congelados.
- Viajando, Orlando? - perguntou seu amigo ao vê-lo de olhos fechados.
- É, mais ou menos. To com o pensamento meio longe.
- Lá de onde a gente veio?
- É. Engraçado como as coisas aconteceram né?
- Sinceramente, a princípio achei que não fosse dar certo.
- Ah, pensei o mesmo.
- É. Vem quando a gente menos espera.
- Bom, aproveitemos então, não é?
- Com certeza. Acho que vale à pena.
- É. Não há razão para acreditar que não.


Longe dali, lá no lugar de onde eles tinham partido, alguém estava de olhos fechados, imaginando como seria bom estar compartilhando aquele momento.
- Não estamos sendo menos. Estamos sendo mais.

curvas

Mal sabia o quanto lhe faria bem andar curvilinianamente por aquelas águas barrentas, envoltas ao manto verde das árvores amazônicas. Sentia o corpo entorpecido, vibrando a cada barulho da água no casco do barco que o levava. Tinha vontade de pular e sair nadando, sem rumo mesmo, só pelo simples motivo de sorrir. Que paz.

Thursday, January 15, 2009

na real II

o odor de veneno podre invade todos os lugares por onde correm os canos de esgoto. o bom é que todos possuem máscara de oxigênio. o ruim é que nem todos sabem usá-la. o problema é que tudo é apenas um disfarce, afinal o odor ainda está lá.

Wednesday, January 14, 2009

'Eu fiquei sozinho até pensar que estar sozinho é achar que tem alguém'
Paulinho Moska - Sem Dizer Adeus

What your plans for your future?

Uma das perguntas que o professor me fez hoje, em um teste para voltar a fazer curso de inglês. Aproveitei a deixa para explicar minha situação: no plans. É. Incrível como, pela primeira vez, começo um ano tão sem planos para o futuro. As coisas estão acontecendo conforme devem acontecer, sem pressa, antecipação ou decisão passada. Decido e pronto. Acho que nunca fui tão prático.

- Well, I think the only rigth plan I have is graduate in law.
Sei nem se saiu correto, mas, bem, deu pra entender né?

cochilo

O travesseiro cobria metade da sua face. Olhava a meia boca, o meio nariz, a sobrancelha esquerda, o olho esquerdo, a bochecha esquerda, o pedaço da orelha esquerda coberto pela metade do cabelo. Inspira. Transpira. Enche o pulmão. Respira. E, ali mesmo, se sentia em outro lugar, talvez em uma terra distante, mais calma, mais tranquila, serena.

Admirando
Admirando
Admiran...
Adm...
A...
...

Tuesday, January 13, 2009

clips

forte o bastante para segurar amontoado de papéis, frágil ao ponto de ficar torto para sempre.
assim como as pessoas.

da alma

"(...)A água tá invadindo a terra e fazendo lama todas as tentativas desse mundo melhorar(...)"

dos anjos

outro dia me disseram que os anjos só entram em lugares limpos. estava a realizar uma faxina no meu quarto naquele momento. se assim for, a presença de anjos no meu cômodo preferido não acontece há meses. me disseram também que a limpeza faz parte da mente: quanto a isso não me incomodo. meus pensamentos seguem límpidos, transparentes, o, talvez, rumo que devem seguir. sem pisar em inocentes, sem desmascarar ingratos, sem pestanejar ao não se lamentar.


A Esperança não murcha, ela não cansa,
Também como ela não sucumbe a Crença.
Vão-se sonhos nas asas da Descrença,
Voltam sonhos nas asas da Esperança.

Muita gente infeliz assim não pensa;
No entanto o mundo é uma ilusão completa,
E não é a Esperança por sentença
Este laço que ao mundo nos manieta?

Mocidade, portanto, ergue o teu grito,
Sirva-te a Crença de fanal bendito,
Salve-te a glória no futuro - avança!

E eu, que vivo atrelado ao desalento,
Também espero o fim do meu tormento,
Na voz da Morte a me bradar; descansa!
A Esperança - Augusto dos Anjos
Queria que as pessoas repensassem seus caminhos, revisassem seus conceitos, retirassem o gesso de suas mentes. Os que são incapazes de se repensar serão sempre vítimas e não autores de sua história.

Augusto Cury, em Nunca Desista de Seus Sonhos

receita

assim, some duas xícaras de ingratidão, mais três colheres de insegurança, uma pitada de desejo, uma colher de chá de esperança, 200ml de coragem, 25g de desconfiança e jogue o sol na peneira. mexa tudo em movimentos uniformes.

Monday, January 12, 2009

doentio

Um voyeur. Apaixonado. Uma moça loira, branca, olhos castanhos. Alguém comum, que ela conhecia. E a admirava muito, em segredo. Até aparecer sem se mostrar. E apenas a voz era o que ela conhecia. Ele só queria amor. Ela queria um colo. Até descobrir quem ele era e se decepcionar. Ela sempre esperou muito de todos. Ele sempre se decepcionou muito com todos. Dessa vez seria diferente. Era amor o que sentia, mas ela não merecia. E seu desejo por vermelho o condenara. A pele branca dela precisava de cor. E nada melhor que o vermelho. Marcou-a na pele. Desferiu golpes de faca morbidamente, beijando cada parte que cortava. Seus lábios já molhados de sangue. Beijou sua boca delicadamente, mas a acordou. Percebeu que estava amarrada a uma cadeira, tentou movimentar-se e não conseguiu. Tentou gritar por socorro, mas sua voz não saía. Ele cortara suas cordas vocais. Faltava pouco para morrer, ela sentia. Ele não demonstrava nenhum feição de preocupação. Pelo contrário, ao cruzar os olhos com os dela, sorriu. Um sorriso inocente.

é hora da virada

welcome to my world, baby.

Sunday, January 11, 2009

antes da cirurgia

Há males que vem para o bem, meu bem. Pequenos acidentes, vinte anos depois, talvez sejam percebidos como obra do Divino para tratar do destino de crianças inocentes. Será pai, protetor, amigo, irmão, amante, de apenas pouco convívio, mas de grande importância. Porque, sempre, te dão aquilo que mereces, e não aquilo que tu queres. Se preza pelas boas companhias, pelo respeito ao próximo e pela simplicidade nas palavras, certamente terás tudo isso em dobro, triplo e por quantos mais forem. Renega ao termo anjo, para considerar-se escritor, poeta e dramatizador das cortinas vermelhas que sustentam o palco da vida.

a distância só aumenta ainda mais aquilo que você achava que tinha tomado proporções maiores.

Saturday, January 10, 2009

Friday, January 09, 2009

paixão

após a fase euforia, vem a consciência de que você está realmente se dando de corpo e alma para alguém.
Considero hipocrisia apagar seu passado. Não que as pessoas não possam fazer isso, mas renegar o que já passou na sua vida talvez seja uma forma de enganar a si próprio, como se nunca tivesse cometido aqueles erros, aqueles mesmos erros que, mais do que os acertos, te fizeram crescer. Considero hipocrisia abrir a boca para culpar aquelas pessoas que hoje estão na mesma situação em que você estava pouco tempo atrás, sem se dar ao trabalho de perguntar a elas se a situação lhes faz bem ou não. Considero hipocrisia sorrir para aqueles que, e você sabe, falam mal de você pelas costas – nesse ponto me nomeio hipócrita ao extremo – e lhe cercam com uma amizade fingida.

Mantenha seus amigos por perto. Seus inimigos? Mais perto ainda. As maiores batalhas são ganhas quando se conhece seus inimigos a tal ponto que se saiba todas as suas estratégias para que possa dribá-las e vencer. Posso estar sendo insensato, desumano ou realista. Cada um analise da forma que melhor lhe convir. Mas quando você passa a viver situações tão intensas de sacanagem – e não da boa – você acaba descobrindo que, infelizmente, muitas vezes você realmente só pode contar com você mesmo. Bem, até agora há pessoas em quem eu confio mais do que a mim mesmo. Se é pra sempre? Só o tempo diz.

quem sabe até lá

- Quero que você venha comigo.
- Pra onde?
- Preciso realmente dizer isso agora?
- Claro. Como vou partir para um lugar sem saber onde?
- Confia em mim?
- Confio.
- Então deixa essa sua mania virginiana de ser pragmática demais e vem logo comigo.
- Preciso de quantas peças de roupa?
- O que couber em uma mochila.

Manoela correu até o seu quarto, juntou algumas poucas camisetas, duas calças jeans, calçou seu velho tênis de caminhada e voltou ao encontro de Antonio, jogou a mochila no porta-mala do carro e sentou no banco ao seu lado.

- Agora você pode me falar onde vamos?
- Ainda não. Só garanto que será uma aventura. E que você não vai se arrepender.

Algumas horas depois, sentados embaixo de uma árvore, próximos a um riacho, ela acreditava ter atingido o nirvana avistando o pôr-do-sol mais lindo de toda a sua vida.

- É lindo.
- É seu.

Thursday, January 08, 2009

de bico fechado

Nem todos conseguem ficar calados quando atingem certo ponto da felicidade. Não por maldade, mas por vontade de gritar pro mundo o motivo pela qual aquele sorriso não larga seu rosto. Nesse ponto mora o perigo, pois certas coisas devem ficar guardadas, por melhores que sejam. Preservar sua vida de vez em quando faz parte do jogo no qual você adentrou ao sair do útero de sua mãe.

Na maioria das vezes é difícil, mas se aprende quebrando a cara e perdendo coisas que se têm. Me reclusei sobre determinadas situações para que possa, talvez, viver com certa paz, mas é incrível como as pessoas entendem isso de uma forma errada: ah, você não é meu amigo. Meu caro, não é bem assim. Amigos amigos, segredos à parte. Todos têm os seus. Se é difícil entender isso, vá até a livraria. Lá existem mil segredos que você descobre virando apenas algumas páginas.

Deixei de ser um livro aberto. Se isso incomoda algumas pessoas, não posso fazer nada. Algumas poucas conquistaram aquilo que se chama confiança, mas nem tudo que acontece em nossas vidas precisa ser construído ao redor do 'eu conto tudo pra você, pois confio em você'. Não é apenas questão de confiar, mas o quê confiar. Chamo isso de racionalidade. Estou recluso sim, e está me fazendo bem.

Monday, January 05, 2009

alguns anos depois

ainda me sinto como se tivesse quinze anos. apesar de saber que não venho me comportando como já há algum tempo. imagino que seja difícil entender que os filhos crescem, e é difícil entender porque somos tão superprotegidos. nessas horas da vontade de fazer como Christopher McCandless e ter que dar satisfações apenas para si mesmo. anseio por ser meu único e exclusivo dono.

Sunday, January 04, 2009

Acreditar

Este continua sendo meu lema em mais um ano que chega. Sempre levei a vida dessa forma e imagino que, apesar de ter quebrado a cara algumas vezes, não devo deixar isso de lado. Acho que essa é uma de minha maiores virtudes e não pretendo perdê-la. Mentiras têm pernas curtas e um dia a máscara cai, mesmo que demore. Então acredito. E pretendo continuar assim.