Friday, July 24, 2015

mesmo do mesmo


Eu escolhi muito errado nos últimos anos, cometi muitos erros nos últimos meses, andei por um caminho muito errado nas últimas semanas e, como consequência de estar sempre olhando na direção errada, só percebi o precipício a mim destinado quando me faltou chão. Enquanto seguia em queda livre eu percebi o quanto são egoístas aqueles segundos que precedem nosso último suspiro: nenhum arrependimento, nenhum erro, nenhuma lágrima de sofrimento estava entre aquelas últimas lembranças.

Lembrei de algumas vezes que acertei, de alguns sorrisos que arranquei, de segredos que me orgulhava em levar comigo, de algumas lágrimas de orgulho, gratidão e saudade que escorreram dos meus olhos e daquela esperança tão minha que consegui ver brotar nos olhos dos outros. Esperança. Foi a última coisa que eu senti antes de dar com o corpo na água, um enorme lago que o medo de olhar para baixo não permitiu que eu enxergasse. Água gelada, tipo banho sem chuveiro elétrico em campo aberto num dia de frio. Um mergulho fundo, sentindo o corpo perder força e movimentos antes de me dar conta que ainda podia nadar. Sorte, foi a primeira coisa que eu pensei ao alcançar a superfície.

Precisei de um tempo para me lamentar, vocês sabem como eu sou, e quando dei por mim estava culpando o vento, a falta de placas e até o empurrão de alguém que não vi atrás de mim, tentando me eximir da responsabilidade única de escolhas que eu fiz pra mim terem me levado até ali. Depois de avistar um barco – tão distante que sua silhueta era menor que minha menor unha roída – e vê-lo sumir no horizonte sem qualquer sinal de resgate, me vi completamente sozinho e senti a dor do abandono. Ninguém ia descer para me buscar ou lançar uma boia para me levar a bordo. Ninguém. Nem uma vivalma que pudesse me dar a esperança de salvação.

Esperança. A última coisa que eu senti antes de me livrar da morte e ter a sorte de dar com o corpo na água. Afinal, mesmo à deriva em águas desconhecidas e ainda mais distante dos caminhos certos a seguir, eu tinha sorte de estar vivo. Eu errei, errei muito, errei com muita gente e errei mais ainda comigo mesmo. Mas aquelas memórias – que eu julgara egoístas pela isenção de arrependimentos, erros e lágrimas de sofrimento – eram, na verdade, o que eu tinha para me agarrar e não desistir. Tenho fé e, naquele momento, percebi que os últimos anos eivados de erros não superam as vezes em que eu fiz o melhor para acertar: não era sorte eu estar vivo, mas uma segunda chance.

Todos têm um precipício desse: é ele o destino final de todas as escolhas erradas, com altura proporcional à quantidade de erros cometidos – e um cálculo matemático na terceira série pode até não fazê-la aumentar tanto quanto ter dado perda total no carro da mãe, mas se errou entra na conta. E a diferença entre estatelar-se no chão ou amortecer o impacto num mergulho fica ali, naquelas vezes em que acertei, nos sorrisos que arranquei, nos segredos guardados, nas lágrimas de orgulho, gratidão e saudade que escorreram dos meus olhos e naquela esperança tão minha que consegui ver brotar nos olhos dos outros. Esperança. A última coisa que eu senti antes de dar com o corpo na água. E fé.

Um caminho errado faz com que, vez ou outra, deixemos a esperança num cruzamento, a fé andando em círculos ou as duas num atalho sem saída. Eu nunca ficara desacompanhado das duas. Perdi um pouco duma numa curva, esqueci mais da metade da outra depois de um ataque de formigas e abandonei um bocado das duas para carregar mais suprimentos pro corpo do que para a alma. Mas ainda as tinha ali, sem deixar a escassez ser motivo de inexistência. E aquela culpa, que vez ou outra insistimos em nos eximir para projetar no outro, foi o que eu usei para abastecer a fé que me faltava. Eu culpava o abandono, o empurrão invisível, a silhueta minúscula de um barco qualquer porque estava entre as pessoas que põe mais fé na capacidade do outro que na própria.

A culpa era minha. Eu escolhi errado, eu segui pelo caminho errado, eu cometi os erros que me levaram a ficar sozinho e à deriva em águas desconhecidas. Ninguém ia descer para me buscar ou lançar uma boia para me levar a bordo, porque eu não tinha que esperar ser salvo, eu tinha que me salvar. Mas, depois de escalar aquele paredão cheio das lembranças dos erros que cometi, eu precisei de ajuda. Voltar, vez ou outra, é como dar aval para o sentimento de derrota e, apesar de me sentir derrotado por ter caído, o tempo gasto na subida permitiu que eu me sentisse um vitorioso por não desistir. Eu ia voltar e fazer o melhor para fazer do atraso de vida algo inexistente no meu caminho.

No entanto, voltar não era apenas deixar o orgulho de lado e começar de novo. Voltar era enfrentar todos os medos, angústias e sentimentos de derrota que eu deixara pra trás buscando ser feliz. E eu só descobri isso há alguns meses, quando percebi que o Mais do Mesmo era não só meu primeiro livro ou uma parte de mim, mas meu jeito de me despedir de algumas histórias que, independentemente de terem me proporcionado alegria, devem ser deixadas apenas nas lembranças, na memória, no passado.

É certo que, vez ou outra, precisamos dar um passo para trás para dar dois à frente. Assim como é certo que muitas das coisas que um dia nos importaram nós precisamos deixar ir. Assim, eu encerro mais um ciclo da minha vida: por muito tempo eu fui mais, mas talvez seja hora de ser um pouco menos. Ao contrário do que eu pensei lá atrás, não sinto tristeza ao dizer isso. Mais do Mesmo é amor e nunca deixará de ser, mas só amor não basta. E o que eu sinto é alívio. Toda história tem começo, meio e fim. É chegada a hora de dar início a uma nova.

Friday, July 17, 2015

Querido Artur,

Perdoe-me falar-lhe assim de tão longe, mas é que eu tenho andado com a mente tão ocupada que já tem um mês da sua chegada e ainda não consegui lhe visitar. No entanto, eu precisava me despedir desse lugar que há tantos anos tem sido como uma casa para os meus sonhos e resolvi dedicar minhas últimas palavras aqui para você. Por quê? Talvez porque meu inconsciente entendeu que essa seria uma forma de diminuir a culpa pela minha distância. Mas prefiro dizer que escolhi você como destinatário porque, daqui em diante, um novo ciclo se inicia pra mim, tal qual aconteceu com você semanas atrás.

A princípio o mundo parece um lugar bonito, não é? O único jeito de você enxerga-lo é através das vozes daquela que te carrega no ventre e daqueles que te paparicam de fora. Eu entendo. Não há como não ser belo um lugar com som tão agradável quanto a voz de uma mãe. A minha e a sua, pelo menos. Mas nós somos curiosos e, cedo ou tarde, nos rendemos ao desejo de ver com os próprios olhos o que só os ouvidos nos permitem enxergar. É quando vem o susto, os berros e as lágrimas. Era tão confortável flutuar naquele espaço minúsculo que, quando nos deparamos com esse enorme espaço entre céu e terra, nos pomos a chorar.

Mas aquele momento, querido Artur, quando deixamos o conforto maternal de lado, nada se compara a tantos outros que iremos enfrentar no decorrer da vida. Muito menos aquele choro. Porque, à princípio, o mundo parece um lugar bonito, mas, uma vez nele, você percebe que não é bem assim. Existem pessoas ruins, momentos ruins e sensações que você daria qualquer coisa para não sentir. Então você chora. Hora porque a voz que te acalmava o coração não está presente, hora porque alguém te decepcionou, hora porque você mesmo não consegue superar suas limitações e assim vai. O mundo pode até ser bonito, mas em nenhum momento ele será contemplado pela perfeição que você almejava encontrar.

Os anos passam, sentimentos vão e vem tal qual as escolhas sempre irão envolver uma renúncia – por vezes extremamente difíceis de deixar para trás, inclusive. Você vai cair da bicicleta, pode ralar o joelho inúmeras vezes, levar uma surra do valentão da escola ou ser obrigado a comer legumes que odeia na hora do almoço. Vão te ensinar que o melhor caminho para o sucesso é estudar bastante e que dinheiro não importa, mas importa sim, porque é impossível viver de água e luz solar. Nós não somos plantas, Arturzinho, isso é fato. E o que nos torna diferentes é justamente isso: nós até podemos não saber quem verdadeiramente somos, mas, depois que crescemos, conseguimos compreender perfeitamente aquilo que não somos: perfeitos.

É aí, pequeno grande Artur, que está a verdadeira beleza do mundo e que não nos é possível enxergar quando o vemos pela primeira vez: não existe nada – nem ninguém – perfeito ou imune a fracassos. E o mais belo é que, diferentemente das plantas, nós podemos arrancar nossas raízes e partir em busca de um novo terreno para germinar. Essa capacidade de mudar, de sair do lugar que incomoda, de arriscar o trajeto por novos caminhos é o que torna a passagem por aqui tão mágica, porque ficar parado é muito mais arriscado. Somos especiais porque, ainda que tão diferentes, somos iguais. Assim como o mundo, sabe? Tão diferente daquilo que você imaginava antes de vê-lo, mas igualmente – ou até mais – belo se você souber olhar além de suas imperfeições.

Sabe o choro? Ele não é de todo ruim, pelo contrário. Chorar faz bem, alivia a alma, clareia a vista e desata os mais firmes nós que vez ou outra insistimos em manter na garganta. Tem choro de alegria, choro de orgulho e choro de saudade. E são tão intensos quanto confortantes, principalmente quando vem como prelúdio de um alívio há tanto esperado. Não há vergonha alguma em chorar, mas lembre-se também que muito vale à pena sorrir. Nem todo gesto vale mais que mil palavras, mas um sorriso sincero – abraço apertado e sincero também – consegue, sim, transformar em bom dia o mau humor da manhã.

Veja bem, Arturzinho: todas essas coisas que lhe digo não saem daqui com a intenção de te ensinar o caminho das pedras para o sucesso, até porque eu não sou bem o tipo de pessoa que pode ser chamada bem-sucedida – ainda. As coisas não acontecem exatamente como queremos que elas aconteçam, sabe? De uns tempos pra cá comecei a aceitar que tudo acontece no seu tempo certo, mesmo que vez ou outra seja dominado pela ansiedade e direcione a vista pro futuro – o que não é lá muito aconselhável já que, se não agirmos no presente, o futuro que desejamos encontrar trará junto um choro tal qual aquele ao nascer, em intensidade absurdamente maior e mais assustadora.

O mundo não é perfeito, mas tem suas belezas. E, assim como nenhuma verdade é absoluta, a segurança pretendida durante nossa estadia por ele também tem suas falhas. Eu falhei muitas vezes, Artur. Muitas. Também acertei pra caramba, mas não foram os acertos os responsáveis por essa minha iniciativa de ir germinar em outras terras. O solo aqui já não me é produtivo. Não por que a terra esteja inóspita, mas é chegada a hora de plantar sementes novas, colher novos frutos, ver o mundo com outros olhos. Eu já berrei e chorei o tanto necessário para me conformar. Mas é chegada a hora de sorrir um pouco mais. E, grave bem isso, muitas vezes nós precisamos deixar ir embora algo que muito amamos para podermos ser felizes de verdade. Além disso, você também vai descobrir com o tempo, o ventre pode ser o exemplo do mundo perfeito e seguro que você tanto almejava encontrar, mas aqui fora existe um lugar tão seguro e reconfortante quanto: o colo de mãe. Não importa quantos metros de altura você tenha, é o único lugar do mundo em que você sempre vai caber.

Fica com Deus.
Espero que nos vejamos em breve.
Vou ser mais, ainda sendo o mesmo, mas com certeza muito melhor.

Um beijo na testa.
Com carinho,

Tio Artur

Wednesday, July 01, 2015

você é amor

Faz tempo que não te dedico algumas palavras e a culpa não é da distância, da rotina cansativa ou da ansiedade pelo encerramento de mais um ciclo em nossas vidas. Só quem não sabe da bela poesia que é te ter na vida poderia usar esses motivos num discurso de acusação. Nós não nascemos juntos, nos conhecemos já no fim da adolescência e temos um modo semelhante – e peculiar – de ver esses encontros e desencontros que a vida nos dá. Se faz um tempo que não te escrevo algumas palavras é porque elas só vem dedicadas a ti assim, numa segunda-feira à noite, em lembranças de um show que já conta cinco anos no passado, na saudade que eu sinto de te ver todos os dias, lendo algo que você escreveu como se lhe ouvisse ou nessa segurança que eu consigo sentir só de pensar que você tá aí.

Eu sei que você pediu para eu registrar apenas aquela música, mas você sabe como eu sou. É claro que gravar o show inteiro deu trabalho e, sabe-se lá quantas vezes, eu precisei revezar a câmera entre as mãos. Mas tinha aquela música, a sua preferida, o único presente que você desejava que eu trouxesse daquela minha primeira viagem ao Rio de Janeiro. E pra ela eu não apenas venci o cansaço do braço que segurava a câmera, como dediquei toda a minha atenção pela primeira vez na vida. Eu nunca havia gostado muito daquelas letra e melodia. Até aquele dia. E não porque era um show e fazia diferença no meu gosto, mas porque se era sua preferida ela com certeza merecia minha atenção.

De fato ela merecia. Uma música que fala de amor sempre merece minha atenção, na verdade. Você me pediu para registrá-la porque era sua preferida, mas eu acredito que descobri motivo maior para o seu pedido: chegar à minha resposta para toda a inconstância de significados que aquela tal de Maria expunha nos versos cantados e que se faziam encantar. O amor, infelizmente, não é a exceção à regra da inexistência de uma verdade absoluta. Talvez seja realmente impossível definir aquilo que já nasce dentro da gente, que faz a gente renascer e ajuda diariamente a despertar. Inexplicável, como um milagre. O único que Deus permitiu à sua imagem e semelhança semear no mundo sem necessitar de santidade.

E, hoje, levando-se em consideração que Deus escreve certo por linhas tortas e que tudo na vida tem um porquê, eu lembrei daquele dia, pouco mais de um ano depois que eu te trouxe o melhor presente de todos daquela viagem – além das fotografias a mais no meu álbum, é claro. No dia que um clarão do luar abençoou o nosso amor num dos dias mais felizes das nossas vidas. Era noite, mas você brilhava mais que o sol. A tal Maria já tinha dito, mas só você me fez perceber a emoção que me fazia sentir aquela luz que emanava de você. É que, no fundo no fundo, mais que nascer dentro de você, o amor se fez presente no seu ser. Se perguntarem o que é o amor pra mim, eu posso não saber explicar, mas eu sei responder: é você. Você é amor pra mim, Priscila.

Tuesday, June 30, 2015

(meus) amigos imaginários

Eu tive alguns amigos imaginários na infância, mas lembro bem mesmo de dois: Felipe e Leonardo. Me acompanharam por anos, eu lembro bem. Brincávamos de esconde-esconde, pega-ladrão, pique-cola, dentre tantas outras brincadeiras infantis daquele tempo. Acho que foram embora ao mesmo tempo, mas, com exceção de todas as outras vezes em que davam um tempo de mim e voltavam a me encontrar, a última não teve despedida. Eles não abanaram as mãos ou disseram até breve, talvez porque fosse melhor que simplesmente se fossem já que não voltariam mais. Eu sabia que eram imaginários e deve ser essa a razão pela qual nunca senti saudades. Ou eram eles simplesmente meu jeito inocente de lidar com aquela solidão de ser a única criança dentro de casa.

Felipe e Leonardo nunca saíram de casa comigo. Daquelas outras vezes, que se foram e voltaram tempos depois, eu nunca havia me perguntado para onde eles iam. Melhor, eu nunca senti a necessidade de criar um lugar para deixá-los acomodados enquanto recebia amigos de verdade em minha casa. E eles só davam um tempo de mim nesses dias, quando outros – tão reais quanto eu – se faziam presentes nos arredores. Era quando eu não estava sozinho que eu os deixava sozinhos, à mercê dos monstros grotescos que advinham da cabeça de outras crianças. Eu os devolvia pra lá, onde diversos mundos cruzam com outros mundos num espaço onde tudo é permitido: a imaginação. E eles talvez tenham se despedido de mim aquela última vez, mas eu já não os ouvia mais.

Eu nunca encontrei o Felipe ou o Leonardo em todos aqueles anos que se passaram desde então. E, mesmo tendo-os na minha lembrança vez ou outra, nunca havia me questionado sobre onde aqueles dois ficavam quando eu não precisava deles. E tal qual eu não me sentia egoísta ao abandona-los quando criança, hoje também não senti remorso por imaginar que um daqueles monstros pudesse ter posto as mãos neles e feito sabe lá deus o quê. Por que eu descobri, quase que instantaneamente àquela percepção sobre ignorar seu paradeiro, que outras pessoas precisavam deles também. Até mesmo outros Felipes e Leonardos, de carne e osso como eu, mas ainda cheios daquela solidão e preguiça que eu já não mais tinha em excesso.

Eu realmente já não precisava deles e não precisei me despedir porque, cedo ou tarde, acabaríamos por nos reencontrar novamente. E só um cumprimento não seria suficiente para que nos reconhecêssemos. Porque não estariam na imaginação, em alucinações, reencarnados em alguém ou até em espírito. Estariam nas lembranças de um outro alguém –até alguém de mesmo nome para ser óbvio demais. Enquanto eu tomava banho de piscina com os coleguinhas da escola, Leonardo era o pino rival do vermelho escolhido pelo garotinho para aquela tarde em que não precisou esperar sua vez de jogar os dados nenhuma vez. Enquanto estava na escola, Felipe acompanhava o crescimento gradativo da coleção de revistas infantis de um outro garotinho que lia trancado no quarto, iguais àquelas que ele tinha me visto ler anteriormente.

Assim como eu esses garotinhos devem ter crescido e os deixado partir também. E provavelmente nem devem saber que simplesmente os deixaram à mercê dos velhos monstros que levam temor a tantas crianças. Nós sempre fazemos isso, no fim das contas. E não dói justamente por ser aquilo que deve ser feito naquele momento. Não fosse assim eles ainda estariam aqui comigo ou onde quer que estejam os outros que os conheceram – sem saber até. Mas existem outros, mais novos que a gente, precisando de amigos como eles para crescer. E é lá que eles estão. São as vidas de outros pequenos onde nós os deixamos sem nos despedir. Porque, hora ou outra, podemos encontrar um desses pequenos já grandes por aí. Hoje foi um dia extraordinário. É que eu acabei encontrando um Felipe e o Leonardo.

Wednesday, May 27, 2015

o bigode

Estava em um daqueles meus momentos em que a única companhia que tenho é a do meu reflexo no espelho. Eu chamo de “a hora do dia em que eu mais gosto de mim”, porque o espelho é grande e eu me faço plateia de mim mesmo enquanto ouço música e canto e invento passos de dança só meus e, com exceção das vezes em que faço graça com caretas, sou só sorrisos. É a hora do dia em que eu mais gosto de mim porque eu não paro de sorrir. E, modéstia à parte, eu gosto do meu sorriso. Desse jeito dele mesmo, torto, mais fino de um lado e mais bochechudo do outro, emoldurado ou não pela barba cheia ou rala.

Mas teve uma época em que eu desgostei dele. foi quando a puberdade chegou e aquele princípio de bigode começou a afetar minha aparência e me deixar aparentemente mais beiçudo que o real. Lembro bem de quando o tirei pela primeira vez, aos quatorze anos, e de como me senti um homem ao fazê-lo sozinho, sem nunca ter sido ensinado por ninguém. Com o tempo o restante dos pelos foi surgindo e por volta dos dezessete anos eu passei a gostar daquele meu sorriso barbado. Ainda não cobria o rosto como eu desejava, mas pelo menos eu não tinha só aqueles pelos acima dos lábios. Eu nunca combinei com bigode.

Então eu estava em um daqueles momentos em que a única companhia que tenho é a do meu reflexo no espelho, já há algumas semanas sem aparar os pelos do rosto. Era noite de sábado e “todo mundo espera alguma coisa de um sábado à noite”, já dizia Toni. Eu esperava, sim. E, enquanto dava fim à barba para sair de cara lisa, fui contornando o bigode para deixa-lo inteiro e fazer graça no espelho antes de raspá-lo por completo. Era a hora do dia em que eu mais gosto de mim e, depois de molhar um pouco o cabelo e mexe pra cá e mexe pra lá, eu sorri e aquele bigode sorriu junto: torto, mais cheio do lado mais fino e curvando do outro na covinha mais aberta. Eu já não ficava mais beiçudo que o real. Só estranho, mas beiçudo não.

E foi a primeira vez que eu gostei do meu bigode. Já tinha feito aquela experiência outras vezes, mas nunca me arriscara a deixar que ela se exteriorizasse além da porta que me separava do resto do mundo. E eu esperava tudo daquele sábado à noite, menos coragem para encarar plateia além do meu próprio reflexo pela primeira vez com aquele sorriso diferente. Cara lisa agradava uns, barba cheia outros, barba rala a maioria. Bigode? Era a hora do dia em que eu mais gostava de mim e eu gostara daquele bigode sorrindo junto com meu sorriso. Talvez fosse hora de apresentar um novo sorriso pro mundo, mesmo que o mundo olhasse torto pra ele. Torto ele já era, afinal.

Então eu tive alguns outros momentos, com amigos, com família, com desconhecidos, com colegas de trabalho. Teve quem pedisse para tirar aquele bigode antes mesmo do oi. Teve quem achou diferente, mas ficar diferente talvez fosse bom também. Teve quem nunca gostou e acabou gostando. Teve quem só gosta da cara lisa e não adianta que nunca vai gostar de pelos. Teve quem preferia a barba, mas o bigode fazia preferir cara lisa. Teve quem achou parecido com cantor, com ator e com malandro. Teve até eu mesmo arrependido, mas não tinha barbeador para dar fim nele naquele momento. Teve quem não disse nada. E vários que disseram só com o olhar.

Eu nunca fui tão polêmico, brincou comigo uma amiga. O sorriso barbado já era costumeiro até para quem não gostava dele. Tal qual o sorriso juvenil também o era para quem preferia a virilidade dos pelos. Mas aquele sorriso era novidade até para mim. Eu nunca fui tão polêmico comigo mesmo, na verdade. E entre todos aqueles momentos, pelo espelho ou pela câmera frontal do celular, eu ia lá conferir como estava ele, o bigode. Não era bonito e não sou suficientemente fotogênico, mas dava para fazer graça: tinha o estilo sério e com cabelo assim, o estilo cafetão, malandro, peão ou de época. E, de graça, seguia-se um sorriso. Fosse só meu quando sozinho, fossem vários quando acompanhado das reações alheias.

Então hoje eu estava mais uma vez em um daqueles momentos em que a única companhia que tenho é a do meu reflexo no espelho. Hoje é terça e, tal qual domingo e segunda à noite, eu molhei o rosto, esfreguei o creme de barbear e passei a lâmina por todo o rosto. Mas, tal qual naquele sábado à noite, eu contornei o bigode. Eu nunca combinei com bigode e, pelo fato de acreditar piamente nisso, acredito que talvez nunca combine. Mas enquanto eu estiver sorrindo e ele estiver sorrindo junto eu vou deixa-lo aqui. Afinal, modéstia à parte, eu gosto do meu sorriso. Desse jeito dele mesmo, torto, mais fino de um lado e mais bochechudo do outro, emoldurado ou não pela barba cheia ou rala. E até sorrindo com bigode.

Monday, March 23, 2015

o melhor sabor do mundo

Apesar de estar sempre me aventurando gastronomicamente por outras plagas, nunca encontrei um brigadeiro mais gostoso que o da minha mãe. Aprendi com ela a medir a quantidade de ingredientes só com o olhar – colheres de manteiga, uma lata de leite condensado, vira a lata de achocolatado até alcançar tal cor e mexe até soltar da panela. Veio dela também minha preferência pelas raspas da panela e por colheradas carregadas dos pedaços mais duros do produto final. Quanto mais firmes e difíceis de se desfazer na boca, mais longa a sensação de bem-estar que provoca. E tem uma coisa que ela não sabe – ou até sabe mas minha mãe é daquelas que têm essa mania de achar que não pode errar o ponto de uma receita vez ou outra na vida – e acaba por passar uma tarde de domingo se explicando pelo brigadeiro esfarelado porque passou do ponto ou exagerou no achocolatado: a melhor parte está na colher com raspas da panela. E, tenha errado o ponto ou a quantidade de um ingrediente, o sabor experimentado é sempre o do melhor brigadeiro do mundo.

O mesmo sabor do melhor bolo de cenoura do mundo que a minha irmã faz. Eu nunca me aventurei na cozinha para produzir um bolo que não fosse fruto de massa pronta comprada em supermercado. E minha irmã até arrisca um ou outro prato doce e salgado, mas nada se compara ao bolo de cenoura que ela impecavelmente retira do forno desde que eu me entendo por gente. Lembro que, por uma época, só comia bolo de cenoura que minha mãe fazia com cobertura de chocolate depois de me apaixonar por aquela combinação perfeita que uma tia me apresentara. E minha irmã, até onde me lembro, sempre se recusou a fazê-lo porque não era de seu agrado. Bolo de cenoura era bolo de cenoura e pronto. Ela tinha razão. Eu até que gostei bastante daquela novidade, mas, no fim das contas, ele nunca foi o melhor bolo de cenoura do mundo de verdade. E, quando se fala em bolo de cenoura, a única coisa que minha irmã não tem razão é em dobrar o trabalho porque o primeiro bolo saiu solado: esteja ele macio, solado ou até com uma gota ou outra de massa crua, o sabor continua sendo de melhor bolo de cenoura do mundo.

A melhor rabada ao tucupi do mundo poderia dar à minha cunhada o título de especialista no assunto. Ela não faz segredo algum do ritual de preparo que leva em média mais que quarenta e oito horas entre cozinhar, assar e deixar descansar um ou outro ingrediente, mas, mesmo seguindo rigorosamente seus passos, é impossível conseguir o que só ela consegue: o sabor da melhor rabada ao tucupi do mundo. Assim como, mesmo usando do molho de cachorro quente preparado pela minha outra irmã, eu nunca consegui fazer a melhor macarronada do mundo que ela faz. Até consegui fazê-la mais gostosa uma vez, mas aquele sabor, aquele sabor de melhor macarronada do mundo só ela sabe deixar como assinatura. Tal qual o melhor feijão do mundo que uma tia faz, o melhor tempero do mundo que outra põe na comida, a melhor carne apimentada do mundo que uma amiga fez, o melhor milk-shake de morango do mundo que eu talvez nunca mais chegue a experimentar, o melhor bife acebolado do mundo com que outra amiga me recebeu em sua casa, a torta de maçã que outra resolveu se aventurar a fazer e conseguiu a melhor torta de maçã do mundo.

O melhor sabor do mundo às vezes salga um pouquinho, passa do ponto e vez ou outra carrega até um gostinho de queimado. O bolo de cenoura com cobertura de chocolate ainda cai bem de vez em quando, mas o bolo de cenoura sem calda da minha irmã sempre cai bem. E ainda que eu vá à Itália, só comerei a melhor macarronada do mundo se for minha outra irmã a cozinhar. Não interessa a marca do leite condensado ou a procedência do achocolatado e não importa se o ritual da rabada ao tucupi foi cumprido ao pé da letra, minha mãe vai sempre fazer o melhor brigadeiro do mundo e minha cunhada a melhor rabada ao tucupi do mundo. Porque o melhor sabor do mundo a gente só sente naquilo que faz quem gosta da gente. O melhor sabor do mundo tem mais a ver com amor que paladar, porque vai ser o melhor mesmo quando passar do ponto ou ficar doce demais. E vai ser o melhor mesmo que menos gostoso ou feito de forma semelhante e rigorosamente cronometrada. Porque o ingrediente especial de todas as melhores receitas do mundo é o amor depositado em seu preparo.

Esses dias eu descobri dois melhores sabores do mundo e, tal qual o bolo de cenoura com cobertura de chocolate que cai bem de vez em quando, resolvi experimentá-los combinados. Não lembro exatamente o que senti quando comi bolo de cenoura com cobertura de chocolate pela primeira vez. Nem lembro exatamente quando comi. Aquele bolo era mais paixão que amor. Amor era o bolo de cenoura sem cobertura. Mas, esses dias, ao misturar aqueles dois sabores, não era paixão. Era amor também. Juntos, a melhor bala de gengibre do mundo e o melhor licor de gengibre do mundo faziam o melhor licor de gengibre com bala de gengibre do mundo. Apimentado, gerava um incômodo agradável quando passava pela gengiva. Cada mordida na bala causava uma ardência na língua, mas, mesmo sem estar inflamada, minha garganta sentiu um alívio, seguido da sensação de limpeza gerada pelo sabor sutilmente doce e refrescante. O melhor sabor do mundo era o amor, e o amor era como aquele melhor licor de gengibre misturado com a melhor bala de gengibre do mundo.

Eu tenho passado tanto tempo entre cafés da manhã, almoços e jantares, lanches da tarde, ceias na madrugada e tantos outros sabores mais aceitáveis ao paladar que experimentar a melhor bala de gengibre do mundo sem estar gripado era algo inédito. E escolher o melhor licor de gengibre do mundo sem ter experimentado qualquer outro para comparar podia parecer pretensioso demais para alguém como eu que sempre se encantava por novos conhecidos sabores. Por isso eu não soube dizer exatamente o que senti naquele momento. Mas esses dias eu percebi que não só descobri três novos melhores sabores do mundo, como percebi que se o tal ingrediente especial de todos os melhores pratos do mundo tivesse um sabor específico, seria gengibre. A bala começara a gerar uma ardência incômoda quando eu dei o primeiro gole na taça e senti o sabor picante da bebida aliviar a garganta, tal qual alguns amores que são curados com amor.

O amor é como a mordida que arde, o gosto doce, o ardor que não passa, o alívio na garganta, o céu da boca apimentado, as lembranças de bala entre um e outro dente que logo também se vão. Eu posso escolher comer bala de gengibre só quando estou gripado, mas aquele alívio na garganta existirá independentemente de qualquer enfermidade, basta que eu aguente o ardor das primeiras mordidas e o sabor apimentado por alguns minutos. O amor é assim também: faz bem, mas pode arder antes de aliviar a dor. E apesar de só apreciar chá de gengibre quando doente, distribuo as lascas de raiz com molho de soja por todo o prato quando vou no restaurante japonês, com exceção das vezes que está em falta. Às vezes a gente só lembra de amar quando precisamos daquele amor. E tem essas vezes que nem a falta dele nos impede de apreciar algo que nos preenche por dentro. Mas aquelas lascas de raiz, quando presentes, são como o amor. Assim eu me descobri um louco por gengibre. Gengibre é amor. E amor faz toda a diferença.

Saturday, March 14, 2015

E tenho Dito

Pessoas como eu acabam conhecendo muita gente nessa vida. E todo aquele blablabla sobre quem passa, quem fica, quem vai é verdade. Tem quem só me conheceu criança, alguns que me conheceram tentando deixar de ser criança, uns que me conhecem desde criança, esses muitos que chegaram depois que cresci e um ou outro que eu vi crescer enquanto crescia junto. Alguns desses só passaram, outros se foram e deixaram um pouquinho deles aqui e tem aqueles que ainda estão. Esses, que ficam, ensinam sobre amizade, compaixão, humildade, empatia, solidariedade e, dentre tantas outras coisa mais, amor.

Eu tenho uma teoria sobre o amor: amores. A gente ama cada uma dessas pessoas de um jeito diferente. Às vezes mais, às vezes menos, às vezes só naquele momento rápido em que ela passou na nossa vida. E tem algumas que a gente ama, mas nem parece que ama. Ou porque nao demonstra, ou porque não precisa demonstrar, ou até porque o amor que sentimos é tão  diferente que só se deixa sair em dias assim, quando o coração se preenche de um orgulho tão maior que a gente que é impossível não se emocionar pelas conquistas dessas pessoas.

Tem uns dias que aconteceu de eu me emocionar assim. Não só foi satisfatório como outras vezes, porque a vida não tem andado na linha como deveria, mas reconfortante. Foi orgulho da conquista, mas foi também de onde veio a calma que esse cara aqui precisava pra não desistir tão impulsivamente de alguns sonhos guardados nesse consciente inconsequente. E eu não disse nada antes porque era uma conquista tão gratificante que eu queria escrever bonito sobre ela, e eu não vinha escrevendo nada muito belo nos últimos dias. Foi que hoje lembrei do orgulho e lembrei do amor, e resolvi tentar dizer o que talvez já devesse ter Dito.

Eu sei o que é realizar um sonho. Sei o que é ser reconhecido por aquilo que chamam de dom, talento, vocação, e que eu chamo de aquilo que eu mais gosto de fazer e nunca vou me aposentar. Mas, antes de realizar um dos meus, eu não sabia exatamente a sensação que se apondera da gente quando isso acontece. Eu via alguns amigos felizes pelos seus, e o que eu sentia era aquele orgulho que a gentr sente por quem a gente ama. Daí veio o meu livro e hoje eu sei como é. E aquele orgulho de ontem ganha proporção maior no hoje. É bom demais. É gratificante demais. E quem ama sente junto.

Eu não to no meu melhor momento. Mas to mais do que feliz por quem está  no seu. E tem aquelas pessoas que a gente acaba nunca demonstrando qur ama. Ou até demonstra, mas nunca é demais dizer pro outro que ele é motivo de felicidade dentro da gente. Mesmo que, pelo momento, aquela felicidade seja um acanhado sorriso. Então eu queria dizer, de todo o meu coração, o quanto eu me sinto realizado, de verdade, pela realização do outro. Demora, mas quando a gente ama o que faz também colhemos amor. Eu tenho um pouquinho de amor hoje. Mas tá bom, é melhor que não ter. E tenho Dito.

Thursday, March 12, 2015

pra alma quando dói

Hoje é seu aniversário. E eu nem vejo clichê em escrever algumas palavras para te desejar um feliz dia das coleguinhas soltando o nome do seu namoradinho na escola na frente dos seus pais. Mas aqui dentro eu sinto dor. Você me conhece. Sabe desse meu apego, dessa minha falta de jeito em desenrolar os nós dos cadarços que eu mesmo amarrei. E você sabe do meu tempo, meio perdido por dentro, meio perdido por fora, que é onde eu sempre consigo desenrolar os meus próprios nós para não morrer sufocado. E você sabe como me dói. E como dói no outro. E como é estar doído por dentro, sem poder amenizar a dor que não me cabe.

Eu sempre te escrevi. Bilhetes, cartinhas, última folha do caderno, capa de caderno, contos, crônicas, chegadas e despedidas. E se tem uma coisa que eu amo é escrever. Se tem uma coisa que me agrada é escrever pro outro. É um agrado doce, que eu não perco nem se perceber que o outro não se agradou o quanto eu esperava. É meio que como escrever no papel o que o outro escreveu em mim. E eu sempre te escrevi. Porque você sempre escreveu em mim. Mas hoje, no seu aniversário, eu sou só dor. Por mais esperançoso que seja o meu querer, o amor não me cabe agora para escrever. 

Minha fé permite que eu enxergue outros caminhos, mas o que eu sou agora não me deixa nem rastejar até lá. E rastejar não é um movimento que eu estou tão disposto a usar nesse momento em que tudo o que eu quero é a inércia de estar perdido nos próprios pensamentos. Eu sempre te escrevi e hoje eu quis mais ainda, e até comecei, e parei, e comecei de novo e escrevi duas páginas e agora estou aqui. Porque eu quis falar de amor e me perdi. Foi quando eu senti mexer, o coração pulsar, e ele pulsava forte sobressaindo o peito. Era dor. E hoje é seu aniversário, mas eu não consigo me agradar pra te escrever sobre como é bonito o doze de março de todo ano que se seguiu depois daquele de noventa, porque, mesmo que eu ame escrever, não consigo agora falar de amor.

O fato é que eu já desisti de muita coisa na minha vida por causa da dor que sentia ou que poderia vir a sentir, afinal, além da desistência, eu tenho esse muito de medo com pitadas de covardia e falta de estrutura em saber lidar. Foi o primeiro emprego que eu pedi demissão porque impedia uma viagem em família; a faculdade dos sonhos porque tinha aquele outro sonho de ir embora, que não deu certo; o jornalismo nesse eterno vai e vem; desisti do amor próprio pelo amor do outro; e até da vida eu desisti algumas vezes. Mas eu nunca desisti de você. Porque, apesar de toda aquela dor que eu tantas vezes senti, era uma dor muito maior que eu sentia só de pensar em desistir de você em algum momento.

Você sempre foi sonhadora. Talvez tenham sido teus sonhos a pólvora necessária para que eu explodisse toda essa esperança, essa fé, esse não desistir nunca que nem a dor era capaz de me tirar quando eu te via. Você sempre foi sonhadora e eu nunca te impedi de escrever em mim os teus sonhos. Mesmo quando doía aqui dentro, e eu pensava em desistir de você, as palavras me vinham e eu tentava encher teu coração com toda a ternura, paciência, cuidado e até uma certa vergonha, frutos dos sonhos que em mim você escrevia. Porque era uma dor que não me impedia escrever sobre amor. Essa dor eu só ia sentir desistindo. Prestes a desistir eu tinha amor pra te dar. E eu não ia desistir de você. Eu nunca desisti de você. Nem quando você desistiu de si mesma.

Dor. Não é bem o que se deva deixar fluir em palavras de celebração pela chegada de um novo ano. Mas, se é isso que eu tenho hoje para te oferecer, faço meu melhor pra transformá-la em palavras – que podem não expressar os mesmos cuidados, paciência e ternura de outrora, mas com certeza não carregam qualquer vergonha, além daquela minha que eu sinto por causa dessa dor. Essa dor sem hora, convite ou definição que se preze, que não faz nada além de doer e fazer vice-versa do que já fomos um dia. Dói, você sabe. E você me conhece. E conhece também a dor. Essa dor que não cabe na gente.

Enquanto essa dor não me cabe, eu penso sobre tantas outras que já couberam, inclusive aquelas que eu achei que nunca fossem caber. E, umas outras dessas vezes, foram aquelas em que eu me vi quase desistindo de você, principalmente quando já tinha desistido de mim. Doeu muito, sabe? Eu nunca desisti de você, é verdade. Mas isso não quer dizer que você nunca fez doer aqui dentro; isso não quer dizer que eu nunca doí, quase sem me caber aquela dor, porque eu estive perto de desistir várias vezes em que achei que não cabia mais. Você me doeu. E doeu muito.

Hoje é seu aniversário. E eu nem vejo clichê em escrever algumas palavras pra te desejar um feliz dia de chegar da aula direto pro banheiro pra dar fim ao trigo e cascas de ovo no cabelo. Mas aqui dentro eu sinto dor. E, por mais esperançoso que seja o meu querer, o amor não me cabe agora pra escrever. E se é dor que eu tenho hoje pra te oferecer, faço meu melhor pra transformar minhas palavras de um jeito que não te faça sentir vergonha alguma: nem aquela que tinha de si mesma, nem aquela que eu sinto em mim no depois, esse vice-versa nosso de hoje. Porque, mesmo que eu não pense sobre isso mais, tem aqueles dias que a lembrança surge e faz doer só um pouquinho o que muito doía antes. Hoje é seu aniversário, eu estou num desses dias e você já me fez doer demais.

Doeu te ver perder tão cedo a inocência que eu já não tinha, mas fazia o possível pra não deixar ninguém perder. Doeu achar que tinha te perdido, que o mundo aqui fora conseguira driblar todas as armadilhas que eu construí pra te proteger quando não estava presente. Doeu ter que encarar teu pior pesadelo que você vivia como se fosse sonho. Doeu ver você se perder no tempo, e se perder de si mesma. E doeu muito, muito mesmo, quando eu percebi que a vida tava desistindo de você porque já cansara do fato de você ter desistido dela tantas vezes. Mas, hoje, as lembranças fazem doer só um pouquinho. Principalmente porque, acabei de perceber, foi você quem primeiro conseguiu me fazer parar de doer com amor.

Eu sempre te escrevi. Eu amo escrever. E muito me agrada escrever pro outro. É um agrado doce esse de dizer pro outro o quanto que ele escreveu em mim. E eu sempre te escrevi, porque você sempre escreveu em mim. Hoje eu sou só dor. E não me cabe escrever sobre amor. Até agora. Porque só agora eu percebi o quanto que toda aquela dor que você me fez sentir era reflexo do amor que eu sinto desde sempre por ti. Só agora eu percebi que, na hora de decidir entre uma dor que não me cabia e desistir de você, foi o amor que fez caber toda aquela dor quase insuportável de achar que ia te perder. Eu nunca desisti de você. Mas se a vida desistisse eu já não te teria aqui comigo pra continuar a evitar que você jogasse a toalha e abandonasse aquela luta que era fazer caber na gente uma dor que não cabia. 

Você me conhece. Sabe desse meu apego, dessa minha falta de jeito em desenrolar os nós dos cadarços que eu mesmo amarrei. E você sabe como me dói. E como é estar doído por dentro, sem poder amenizar a dor que não nos cabe. Minha fé até permite que eu enxergue outros caminhos, mas o que eu sou agora não me deixa nem chegar perto de um deles. O fato é que eu já desisti de muita coisa na minha vida por causa da dor que sentia ou que poderia vir a sentir. Mas eu nunca desisti de você. Não só porque desistir de você era me entregar a dor maior que a que eu já sentia, mas porque você sempre escreveu em mim. Hoje é seu aniversário e eu precisei dessa dor que não me cabe pra, como tantas outras vezes, te escrever uma outra vez. Porque, agora eu percebo, quando a dor não me cabia, você vinha. Doída até, mas sem nunca me deixar desistir.

Hoje é seu aniversário. E eu nem vejo clichê em escrever algumas palavras pra te desejar um feliz dia de agradecer a Deus por te ter na minha vida, mesmo que eu seja grato por todos os outros dias. Porque hoje eu sinto dor. Um dor que não me cabe. Ou quase não me cabe. Ainda não me cabe, na verdade. Mas você me conhece, sabe como eu sou e também já sentiu essa dor que não cabia, mas um dia coube. Tal qual as dores que não cabiam em mim e não desistir de você fez caber. Hoje é seu aniversário e eu queria te escrever todas aquelas palavras bonitas, e desejar todas aquelas felicidades e pedir que o nosso pra sempre nunca acabe. Mas eu sinto dor. E enquanto eu tentava, e tentava e tentava um pouco mais escrever sobre nosso amor, menos sentido tinha cada palavra. Então eu percebi, depois de muito eu percebi: nossa história também tem dor. Muita dor. 

No fim das contas, pense bem, nascemos do amor, mas crescemos na dor. Seja ela o mal estar escolhido como prova da geminilidade de nossas almas, seja essa dor que, vez ou outra, parece não nos caber. E quando não te cabia eu estava lá pra não desistir por você. Hoje, que não me cabe, é seu aniversário e tudo o que você já escreveu em mim ficou por aqui, rondando, esperando o momento certo para me deixar escrever pra você sobre dor até eu perceber que era assim que tinha que ser. E eu escrevi. Escrevi, escrevi, escrevi. Um dia inteiro, doendo por dentro uma dor pelo trabalho de lado, pela falta de atenção com outros, pela interrupção de um luto daqueles sofridos que só eu sei sofrer. Um dia inteiro tentando interromper essa que – ainda – não me cabe, sem saber que era ela que me fazia escrever pra você. Porque se ela não me cabia, você a faria caber. Como você sempre fez, mesmo quando vinha doída. Como você sempre faz, sem nunca me deixar desistir. Eu nunca desisti de você. 

Eu posso dizer que te amo, mesmo que o amor não me caiba muito agora. Posso te desejar um feliz dia de uma das pessoas mais importantes de toda a minha vida, mesmo que ainda tenha muita vida pela frente. Posso me repetir ainda mais e dizer que nunca desisti de você. Posso não me repetir e dizer que a gente inventa um pra sempre se o nosso acabar, ainda que essa coisa de pra sempre seja mais desejo que realidade. Eu posso muito, ainda que hoje seja pouco. Mas eu posso. Eu posso, sabe? Porque hoje é seu aniversário e, ainda que eu esteja feito de dor, o seu amor faz com que ela caiba onde eu achei não caber. Obrigado. Por todas as dores mesmo. Não fossem elas eu talvez tivesse doído mais. Ou teria amor de menos. Ou, pior, nem amaria mais. Obrigado. Obrigado por me amar mesmo quando sou eu aquele que faz você sentir todas essas dores. Se dói significa que estamos vivos. E é muito bom te ter viva em mim e estar vivo em você. Eu posso dizer que te amo. Eu te amo. E nunca vou desistir de você.

Wednesday, March 11, 2015

suis petit

Era pequena. Cabia em qualquer lugar, em qualquer verso de poema ou parágrafo de contos da vida real, orgulhosa de só desfilar mais estatura com os saltos do coturno, dos tênis surrados, das poucas sapatilhas ou das sandálias rasteiras que tinha coleção. Não precisava mais que uma tênue divisória entre a sola dos pés e o chão gelado do campo, da montanha, do trabalho ou da sala de estar. Mas tinha regra: no quarto, só pés descalços. Não via sentido naquela necessidade que os outros tinham de proteger os pés dentro do único lugar onde podiam fazer-se livres para caminhar. Limpava o aposento diariamente, mas vez ou outra preferia encarar a poeira do assoalho a entrar de coturno, tênis surrado, sapatilha ou sandália rasteira que levassem para dentro do seu mundo a sujeira alheia acumulada pelas solas gastas no mundo lá fora.

“Sou pequena”, era comum ela dizer tão logo eu ria de alguma das suas observações hilárias ditas com seriedade – se organizar direitinho, todo mundo transa – ou baixava a cabeça depois de ouvi-la comentar sobre aquele dia desanimado - tem dia que é tranqüilo só pra maré encher de repente e a gente se afogar. “Sou pequena” era a resposta certa de algumas das perguntas que ela me fazia e eu nunca acertava – Heineken, sabe? – ou de perguntas que ela não colocava interrogação no fim porque eram perguntas só dela – mas eram corujas dançantes, não podiam esperar pelo wi-fi - ou até daquelas que ela ouvia o cantor perguntar baixinho nos fones de ouvido – o que te sobra além das coisas casuais? Sou pequena, ela dizia, não me cabe muita coisa e eu não sou tão casual, sabe?

Pequena, corpo curto tal qual lhe era o tempo que passava. E muito daquele curto tempo dela ficava no mundo grande lá fora – onde as solas dos coturnos, tênis surrado, sapatilha ou sandália rasteira acumulavam a sujeira dos outros que acreditavam ter mais tempo não porque fossem grandes, mas porque eram maiores que ela. Para o pequeno quarto pouco tempo lhe restava e os calçados à porta eram mais que deixar os pés descalços: livravam-na do tempo gasto com nós e laços nos cadarços e, ao invés de perde-lo limpando mais a sujeira dos outros que apenas aquela inevitável à liberdade dos pés descalços, tratava de pintar as paredes, mudar os móveis e trocar as lembranças que ainda estavam à mostra nas prateleiras, mas não na memória. Era pequena, afinal. Não lhe deviam caber memórias desnecessárias.

Eu era pequeno também. Não tanto quanto ela, mas era. E o fato de vê-la pequena e não menor que eu permitiu-me conhecer o seu pequeno mundo, onde pés descalços eram a única regra sem exceção. Sou pequena, ela disse, meu tempo é curto e eu escolhi reger o que resta dele com uma única regra sem exceção. Deixei o par de chinelos no tapete, compartilhando do acúmulo de sujeira alheia em sua sola junto ao coturno, tênis surrado, sapatilhas e sandálias rasteiras, todos carregados da aparência calejada do mundo de fora. Dentro daquele pequeno mundo ela nem era tão pequena. Sabe o que eu descobri? Ela perguntou e, quando respondi que era pequena pela primeira vez e já perdi as contas de quantas errei, ela riu e disse que finalmente eu acertara a resposta da pergunta errada. Eu descobri que quando a gente é livre a gente não tem tamanho.

“Sou pequeno”, eu disse quando ela fez uma daquelas observações hilárias ditas com seriedade – se o mundo acabasse eu ia tomar muito ácido. “Você é pequena”, eu disse em seguida. Ela riu e disse que eu finalmente tinha entendido. Eu não tinha entendido, só achei que aquela ia ser a resposta certa em algum momento. Você entendeu, só não sabe ainda que entendeu, ela disse antes de sorrir aquele sorriso que lhe diminuía suavemente os olhos. Descalçou os tênis surrados escolhidos para aquele passeio no parque e pousou os pés na grama sob o banco onde estávamos sentados. Ás vezes, quando eu decido ir andando do trabalho pra casa, ela disse, eu paro no meio do caminho e tiro os calçados, sabe? Aí passeio com os pés descalços só pra sentir um pouco dessa grandeza que é o mundo de fora. Tem dias que eu levo umas flores, compro um pôster novo, descubro que queria uma coisa e nem sabia que existia. Mas eu sou pequena, sabe? Não me cabe muita coisa. E tem dia que eu tiro aquelas flores murchas de lá, rasgo o pôster da parede e me desfaço de lembranças que nem existem mais.

Pequeno. Flores murchas, pôster na parede, coisas que não existiam e lembranças que se foram. A louca falava de uma viagem de ácido no fim do mundo, eu disse assim mesmo na terceira pessoa. Pensa bem: o mundo acabando, não tem o que fazer MESMO e tu sabe que vai morrer. Véi, imagina a viagem alucinante que ia ser esse fim do mundo – era aquela pergunta sem interrogação que ela respondia a si mesma em seguida – Eu sou pequena. Ia ser uma viagem muito doida. Foi a primeira vez que eu não ri de uma observação hilária dita com seriedade, porque percebi que não fazia do sério algo digno de riso. Ela realmente tinha subido na cama de uma casa de suingue e gritado pra geral que se organizasse direitinho todo mundo transava. Hoje vou de Original, deixa a Heineken pra outro dia. Só uma regra sem exceção, lembra?

Éramos duas gotas no oceano, dois grãos de areia no deserto, duas agulhas num palheiro, dois pequenos que conseguiram se encontrar no mundo grande de fora. Tinham meses que não a encontrava e aquela conexão de quatorze horas nos permitiu assistir ao pôr-do-sol brindando minha cerveja preferida. Estava apaixonada, a pequena. Deixara seu pequeno mundo de portas trancadas para aventurar-se noutro que ela nem sabia se era pequeno, grande, menor ou, pior, maior que o ela. Mas estava apaixonada. Sou pequena, sabe? E só existe uma regra sem exceção na minha vida. Pés descalços, eu disse, minha voz e a dela se misturando. Teve a exceção de não largar o emprego com exceção de um eventual risco de morte – pedi demissão, a de nunca mexer na poupança - quitei o apartamento com o que tinha na poupança, e, o que eu sempre acreditei que viesse a ser uma segunda regra sem exceção, aquela de não entregar seu pequeno mundo a outro alguém – daí aluguei o apartamento por seis meses pra uma prima que conseguiu um emprego temporário por lá.

O que era uma única regra sem exceção quando ela tinha tantas outras exceções a realizar. Eu disse que não era de casualidades, ela disse, séria, interpretando meu riso como desaprovação. Eu não ria dela, eu ria do fato de ela ser pequena. Eu ri porque foi engraçado perceber o que nem ela percebia ainda: de fato era pequena a menina, mas – depois de mais acertar que errar as respostas de suas perguntas; de esbarrar chinelos e sapatos no coturno, tênis surrado, sapatilhas e sandálias rasteiras em cada visita ao mundo particular dela; de cogitar suas possibilidades criativas sobre escapar de alguns problemas e ter tido sucesso em cem por cento das tentativas criativas – se fizera tão liberta no pequeno mundo dela que, nesse mundo de fora, era maior que muita gente que se achava grande. Se alguém aprender a regra, eu fico. Se não aprender, eu sou pequena e até o amor tem exceção, ela disse antes de deixar o copo vazio em um único gole.

Ser pequena e maior que muita gente, vantagem de ser livre, fruto de sua liberdade. Acho que vou descer até a praia rapidinho, ela disse. Era dia de flores, pôster novo, descoberta de um querer que não existia. Ser pequena no mundo dela era ser maior que muita gente no mundo de fora. Quando a gente é livre a gente não tem tamanho, eu lembrei ela contando aquela descoberta. E, apaixonada, estava ainda maior do que na última vez em que eu a vi se aventurar no mundo de fora, três anos antes, em mais uma de suas exceções: um cruzeiro em costa brasileira, sete meses depois de dizer que nunca faria um cruzeiro que não fosse no mínimo até a Argentina, dois meses depois de se apaixonar por um barman esquisito e numa ressaca que ela prometeu nunca deixar essa exceção se repetir.

Pequena. Apaixonada. Maior que muita gente. Sem tamanho, do píer eu a ouvi gritar enquanto sentia o desidratar do sal nos pés descalços. “Sem tamanho”, eu disse quando ela voltou, e disse que muito do que eu sabia de mim era por causa dela e sem tamanho era o quanto eu lhe podia ser grato por isso. Sem tamanho era o amor, eu quis dizer. Sem tamanho é o amor, ela disse, eu também amo você. Mas éramos pequenos, dois pequenos fazendo daquele encontro a viagem de ácido naquele fim do mundo que era preencher de saudades dos tempos que não se viam as reservas de saudades para os tempos que já sabiam que ficariam sem ver dali algumas horas. E ela estava apaixonada. Ia aventurar-se em outros mundos, experimentar o sabor de uma culinária diferente, aprender um novo idioma porque se encantou por aquele francês que ouvira outro dia na televisão.

Sou pequena,ela respondeu quando eu perguntei se pelo menos o endereço do moço, e eu sei que já disse não ter tempo para casualidades, mas, véi, você acha mesmo que eu ia pedir demissão, zerar a conta e alugar meu apartamento porque me apaixonei por um cara da televisão? Era aquela pergunta que o tamanho dela não era a resposta certa dessa vez. Estava apaixonada. Suis petit, ela disse. E repetiu quando eu dei de ombros sem entender. Suis petit. Lembra quando eu disse que era do tipo primeira versão porque sou pequena e não gosto de perder o meu tempo com tempo que o outros perderam editando o que as vezes só precisava de uma imperceptível correção sem perda de tempo algum? Eu lembrava. Era uma daquelas vezes em que eu queria ser grande demais e ela me lembrava a diferença entre crescer e amadurecer. E ela sempre fazia eu me sentir grande. E eu nunca me sentia maior que ela. Cansei de ser pequena em português, sabe? Agora vou ser pequena em francês, que suis petit e meu tempo é curto pra eu gastar com um só idioma. “Suis petit”, eu repeti, “sou pequeno”, eu ri. Viu? Ainda que, hora ou outra, você demore pra perceber, você sempre entende. A gente é pequeno, sabe? Eu sabia. E, desde o dia em que nos conhecemos, eu nunca deixei a sujeira do mundo grande de fora contaminar o meu mundo pequeno de dentro. Ela ia à França, talvez nos encontrássemos em Paris. Suis petit, minha voz e a voz dela se misturando no portão de embarque. Suis petit.

Tuesday, March 10, 2015

pássaro negro


Da sacada do apartamento eu enxergava ao longe alguns dos raios de sol que escapavam por entre os prédios vizinhos. Estava assim por dentro também: era tanta sombra que, pouco a pouco, a claridade já não se fazia presente e eu me encontrava em completa escuridão. A rede de proteção impedia que eu me prostrasse além dos limites da grade padrão daquele residencial histórico onde morava, e assim eu fazia do quarto-sala-cozinha-banheiro espaço suficiente pra levar uma vida que havia tempos não fazia sentido algum. Peguei a tesoura sem ponta, ainda dos tempos de colégio, e comecei a dar fim às finas linhas que se juntavam em nós e limitavam meu alcance.

- Sabe voar por acaso?

Era ela, a vizinha do lado. Tinha esquecido de trocar a fechadura da porta depois que ela se negou a devolver a chave emprestada para aguar meu pé de manjericão quando nas minhas últimas férias. Agora, dia sim dias não, lá estava ela quando eu menos esperava fazendo perguntas que eu não sabia – ou não queria – responder, me convencendo a alterar o visual escolhido do dia ou simplesmente levando um pedaço do bolo de chocolate que a mãe dela deixava semanalmente na portaria do prédio. Chata.

- O que uma coisa tem a ver com a outra? – perguntei com a tesoura em riste depois de pôr fim a quase metade da rede de proteção. Ela não respondeu. Deu um sorriso, pôs o jarro com um pé de manjericão descuidado no chão e sentou-se no banco onde antes ele estava, depois de usar as costas da mão para limpar os resíduos de estrume. Olhou-me nos olhos, deu de ombros e continuou a sorrir de olhos fechados, como que fazendo daquele seu momento de meditação. Ignorei e voltei ao trabalho interrompido.

- Eu sei voar. Quer aprender? – ela disse ainda de olhos fechados, eu percebi quando deixei a tesoura de lado e voltei a atenção a ela, deixando escapar um riso desconfiado. Ela não só era chata, era louca também. Expulsá-la não seria possível, eu já testara outras vezes. Joguei a tesoura no chão, abri os braços e pedi que me ensinasse a voar tão alto que eu pudesse alcançar a montanha mais alta que existisse no mundo. Ela riu, abriu os olhos e me convidou a conhecer o seu apartamento do outro lado do corredor, ignorando completamente meus braços abertos – Aqui não tem espaço, você ainda perde muito tempo guardando lembranças que não te deixam abrir as asas – disse enquanto virava as costas e me fazia seguí-la.

Foi a primeira de tantas outras vezes em que estive naquele apartamento do outro lado do corredor. Ela quase não tirava férias, mas deu-me uma chave para eu treinar minhas habilidades aéreas sempre que quisesse. E quase todos os dias lá estava eu, fazendo perguntas que ela sempre sabia responder – mesmo quando não queria, inspirando-me no seu sentir bem consigo mesma sem alheios para incomodar, levando barras de chocolate e doces casadinhos do bistrô da esquina que eu descobri ser o seu preferido. E eu amava aquela sacada dela, sem rede, sem plantas, livre – pra voar eu só preciso do vento, dizia ela.

Um dia voltamos no tempo: tantos meses sendo eu o intruso do seu quarto-sala-cozinha-banheiro, acabei me assustando quando abri a porta do meu apartamento e dei de cara com aquela vizinha da porta da frente sentada no meu sofá, lágrimas que saíam dos olhos e encerravam a viagem nos lábios sorridentes: contou-me seus planos secretos, falou do quanto sonhava com aquela partida e chorou uma saudade que até hoje se faz presente quando me vejo cheio de respostas, duvido do sucesso de um visual ou sinto desejo daquele bolo de chocolate que só a mãe dela sabia fazer. Um dia voltamos no tempo para que ela pudesse se despedir do jeito atrevido que chegara anos antes: invadindo meu espaço cuja chave eu mesmo lhe presenteara.

Fui à sacada do meu apartamento e sentei naquele mesmo banco em que ela sentara tantos anos antes. Estava ainda no mesmo lugar, um jarro sem vida ao seu lado, abandonados pelo tempo em que perdi a vontade de voar desde que ela se fora. Eu não conseguia voar sozinho, afinal. A rede de proteção ainda pela metade, uma sacada que nunca me fora vista como pista pro impulso de se fazer plano no ar. Procurei aquela tesoura sem ponta, enferrujada pelo meu próprio descuido, carente de forças para o corte num único movimento. Impaciência. Forcei as lâminas o tanto que pude até não existir resquícios de linhas ou nós entre mim e as sombras daqueles edifícios que desviavam a luz do sol.

Coloquei os pés no espaço entre o rodapé e a grade, preso pela cintura, impulsionei o tronco à frente, posição corporal de quase noventa graus enxergando o chão sete andares abaixo. O voo desejado anos antes se convertera numa intensa vontade de cair. Era mais fácil que persistir na minha latente falta de habilidade em abrir os braços e planar ao vento.

- Sabe voar, por acaso?

Era a voz dela, da vizinha do lado. Tinha três anos de sua partida e eu nunca lembrara de trocar a fechadura da porta.

- O que uma coisa tem a ver com a outra? – perguntei enquanto desfazia aqueles noventa graus, sorrindo e voltando o corpo ao seu encontro, desesperado por um abraço. Ninguém. Era eu agora o louco, ouvindo vozes num apartamento cheio de lembranças que me impediam de voar. Em cima do banco uma pena negra. Lembrei dos planos secretos, confidenciados tantos anos antes. Era ela sim. Me fazendo perguntas que eu não sabia – ou queria – responder. E deixando uma de suas penas negras como resposta das minhas perguntas que ela sempre sabia responder. Eu podia voar, podia sim. Só precisava deixar de lado aquele medo de, entre um voo e outro, perder um pouco de minhas próprias penas.